sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Sabedoria chinesa


Um grupo de cientistas encontraram em uma tumba na China cerca de 800 gramas de Cannabis sativa, o achado possui cerca de 2.700 anos.
Leia mais!

Sempre me atentei a sabedoria dos chineses, mas não sabia de onde nascia tanta inspiração.

Paixão Velada


No silêncio da noite
Sinto meu corpo tremer
De calafrios por ela.

De olhos fechados.
Me toco desejoso.
E minha mente... mente!
Com o cheiro dela!

Sinto a pélvis, dela!
Inchada por desejos!
Mundanos? Não!
Delírios da minha paixão...
Por ela!

Ouço um canto:
Os sussurros dela?!
Não! É meu corpo...
Chorando por ela!

De repente, enxergo:
Luz por entre as persianas.
Refletindo meu suor.
Como um véu de estrelas!
De morte!
Por tanta saudade,
do amor dela!

Carlos Alberto Pokoto

Quando A Gente Ama

Quem vai dizer ao coração,
Que a paixão não é loucura
Mesmo que pareça
Insano acreditar

Me apaixonei por um olhar
Por um gesto de ternura
Mesmo sem palavra
Alguma pra falar

Meu amor, a vida passa num instante
E um instante é muito pouco pra sonhar

Quando a gente ama,
Simplesmente ama
É impossível explicar
Quando a gente ama
Simplesmente ama!

Fábio Caetano, Marcelo Barbosa Barreti e Nil Bernardes


Como é bom e saudável sentir mais uma vez o calor intenso e breve dessa paixão que antecede a chegada do nosso amor prestante. Sinto saudade de você meu anjo!

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Bullying


O termo BULLYING compreende todas as formas de atitudes agressivas, intencionais e repetidas, que ocorrem sem motivação evidente, adotadas por um ou mais estudantes contra outro(s), causando dor e angústia, e executadas dentro de uma relação desigual de poder. Portanto, os atos repetidos entre iguais (estudantes) e o desequilíbrio de poder são as características essenciais, que tornam possível a intimidação da vítima.

Por não existir uma palavra na língua portuguesa capaz de expressar todas as situações de BULLYING possíveis, o quadro, a seguir, relaciona algumas ações que podem estar presentes:

Colocar apelidos
Ofender
Zoar
Gozar
Encarnar...

Eternas Ondas


Quanto tempo temos antes de voltarem aquelas ondas
Que vieram como gotas em silêncio tão furioso;

Derrubando homens entre outros animais,
Devastando a sede desses matagais;

Devorando árvores, pensamentos seguindo
A linha do que foi escrito pelo mesmo lábio tão furioso.

E se teu amigo vento não te procurar
É porque multidões ele foi arrastar.

Zé Ramalho

José


E agora, José?
A festa acabou,
a luz apagou,
o povo sumiu,
a noite esfriou,
e agora, José?
e agora, você?
você que é sem nome,
que zomba dos outros,
você que faz versos,
que ama, protesta?
e agora, José?

Está sem mulher,
está sem discurso,
está sem carinho,
já não pode beber,
já não pode fumar,
cuspir já não pode,
a noite esfriou,
o dia não veio,
o bonde não veio,
o riso não veio,
não veio a utopia
e tudo acabou
e tudo fugiu
e tudo mofou,
e agora, José?

E agora, José?
Sua doce palavra,
seu instante de febre,
sua gula e jejum,
sua biblioteca,
sua lavra de ouro,
seu terno de vidro,
sua incoerência,
seu ódio – e agora?

Com a chave na mão
quer abrir a porta,
não existe porta;
quer morrer no mar,
mas o mar secou;
quer ir para Minas,
Minas não há mais.
José, e agora?

Se você gritasse,
se você gemesse,
se você tocasse
a valsa vienense,
se você dormisse,
se você cansasse,
se você morresse...
Mas você não morre,
você é duro, José!

Sozinho no escuro
qual bicho-do-mato,
sem teogonia,
sem parede nua
para se encostar,
sem cavalo preto
que fuja a galope,
você marcha, José!
José, para onde?

Carlos Drummond de Andrade


Já era hora...


Finalmente após inúmeras propostas, protestos, negociações e etc. Vejo algo concreto por vir, estamos próximos da aprovação de uma lei sobre mudanças climáticas.

Leia mais!

Sinceramente, eu já havia até desanimado de publicar no blog notícias sobre negociações e propostas em relação as mudanças climáticas, sempre a mesma ladainha e nada de concreto, finalmente alguma notícia que nos devolva a esperança.

Greenpeace chega ao Congo


Mesmo com um cenário um tanto quando conturbado no Congo, na segunda-feira (24/11) o Greenpeace abriu seu primeiro escritório no páis.

Leia mais!

O problema do desmatamento já sofreu sua "globalização", pelo que vejo no mundo inteiro onde há floresta há desmatamento, a coisa é mais séria do que eu pensava.

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Nua

Nua!
Ela estava nua.
Sem medo,
sem ódio
e sem rancor.
Nua de tudo,
nua de todos.

Ela estava nua.
Não sentia raiva,
não sentia frio
e não sentia dor.
Nua! Sem sonhos,
sem vontades,
sem amor.

Nua de si,
nua de mim.
Nua do dia,
nua da noite,
nua como poucos.
Nua ela dormirá,
Nua ela partirá, nua...

Wilian Jañez

Imagem


Imagem de Helder Mendes
Extraída do site http://olhares.aeiou.pt/

Não precisei ler o Paulo Coelho


Saramago diz que não precisou ler Paulo Coelho para se encontrar mais sereno, o escritor luso esta no Brasil para lançar seu novo livro "A Viagem do Elefante", o qual já encomendei, e para vingar outros compromissos.


Gosto dos livros de Paulo Coelho, alguns intelectuais possuem uma certa aversão ao escritor, porém não vejo razão, talvez me falte intelecto para entendê-los. Mas é claro que não podemos comparar Coelho com Lebre!

Todo o Sentimento


Preciso não dormir
Até se consumar
O tempo da gente.
Preciso conduzir
Um tempo de te amar,
Te amando devagar e urgentemente.

Pretendo descobrir
No último momento
Um tempo que refaz o que desfez,
Que recolhe todo sentimento
E bota no corpo uma outra vez.

Prometo te querer
Até o amor cair
Doente, doente...
Prefiro, então, partir
A tempo de poder
A gente se desvencilhar da gente.

Depois de te perder,
Te encontro, com certeza,
Talvez num tempo da delicadeza,
Onde não diremos nada;
Nada aconteceu.
Apenas seguirei
Como encantado ao lado teu.

Chico Buarque e C. Bastos

terça-feira, 25 de novembro de 2008

Dia do Corno


Hoje dia 25 de Novembro é o dia do corno.
Parabenizo todos os cornos que acessam nosso blog.
Parabéns!!!

Expresso Noturno

Indico a vocês o site Expresso Noturno, o site é de um velho amigo, Mayk, e tem como foco a cultura, andei dando uma olhada e asseguro que quando falo de cultura estou falando da boa cultura.

Boa sorte Mayk!

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Je ne regrette rien

Clique na imagem e assista

Non! Rien de rien ...
Non ! Je ne regrette rien
Ni le bien qu'on m'a fait
Ni le mal tout ça m'est bien égal!

Non ! Rien de rien ...
Non ! Je ne regrette rien...
C'est payé, balayé, oublié
Je me fous du passé!

Avec mes souvenirs
J'ai allumé le feu
Mes chagrins, mes plaisirs
Je n'ai plus besoin d'eux!

Balayés les amours
Et tous leurs trémolos
Balayés pour toujours
Je repars à zéro ...

Non ! Rien de rien ...
Non ! Je ne regrette nen ...
Ni le bien, qu'on m'a fait
Ni le mal, tout ça m'est bien égal!

Non ! Rien de rien ...
Non ! Je ne regrette rien ...
Car ma vie, car mes joies
Aujourd'hui, ça commence avec toi!

Charles Dumont e Michel Vaucaire

O que será (À flor da pele)

O que será que me dá
Que me bole por dentro, será que me dá
Que brota à flor da pele, será que me dá
E que me sobe às faces e me faz corar
E que me salta aos olhos a me atraiçoar
E que me aperta o peito e me faz confessar
O que não tem mais jeito de dissimular
E que nem é direito ninguém recusar
E que me faz mendigo, me faz suplicar
O que não tem medida, nem nunca terá
O que não tem remédio, nem nunca terá
O que não tem receita

O que será que será
Que dá dentro da gente e que não devia
Que desacata a gente, que é revelia
Que é feito uma aguardente que não sacia
Que é feito estar doente de uma folia
Que nem dez mandamentos vão conciliar
Nem todos os ungüentos vão aliviar
Nem todos os quebrantos, toda alquimia
Que nem todos os santos, será que será
O que não tem descanso, nem nunca terá
O que não tem cansaço, nem nunca terá
O que não tem limite

O que será que me dá
Que me queima por dentro, será que me dá
Que me perturba o sono, será que me dá
Que todos os tremores me vêm agitar
Que todos os ardores me vêm atiçar
Que todos os suores me vêm encharcar
Que todos os meus nervos estão a rogar
Que todos os meus órgãos estão a clamar
E uma aflição medonha me faz implorar
O que não tem vergonha, nem nunca terá
O que não tem governo, nem nunca terá
O que não tem juízo

Chico Buarque

sábado, 22 de novembro de 2008

Excesso exceto

O que se abre aberto
Se aproxima perto
Pra esvaziar o já deserto

Desorienta o incerto
Ruma sem trajeto
Nunca existiu mas eu deleto

Querer sem objeto
Voz sem alfabeto
Enchendo um corpo já repleto

O excesso, o exceto
O etcétera e todo resto
Do chão ao céu, da boca ao reto

Eu só eu
No meu vazio
Se não morreu
Nem existiu

Só eu só
No meu pavio
Futuro pó
Que me pariu

Arnaldo Antunes e Lenine

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Branca

Ela era branca,
branca como a neve,
branca como um céu de nuvem calma
branca como minh'alma,
branca como o lençol de minha cama

Branca,
branca como a ave,
branca como a visão após mirar o sol
branca como a paz
branca como jamais tão branca

Ela era branca.

Wilian Jañez


Contos modernos - João e Maria

Mil Perdões

Te perdôo
Por fazeres mil perguntas
Que em vidas que andam juntas
Ninguém faz
Te perdôo
Por pedires perdão
Por me amares demais

Te perdôo
Te perdôo por ligares
Pra todos os lugares
De onde eu vim
Te perdôo
Por ergueres a mão
Por bateres em mim

Te perdôo
Quando anseio pelo instante de sair
E rodar exuberante
E me perder de ti
Te perdôo
Por quereres me ver
Aprendendo a mentir, te mentir, te mentir...

Te perdôo
Por contares minhas horas
Nas minhas demoras por aí
Te perdôo
Te perdôo porque choras
Quando eu choro de rir
Te perdôo
Por te trair

Chico Buarque

La Plata

Gostaria de chamar atenção para a arte feita para a capa do novo do Jota Quest, muito interessante, será que a intenção da imagem é fazer alguma critica? Eu pensei em várias coisas.

"Somente depois da última árvore derrubada, depois do último animal extinto, e quando perceberem o último rio poluído, sem peixe, o Homem irá ver que dinheiro não se come"

Provérbio Indígena

O Silêncio das Estrelas

Solidão, o silêncio das estrelas, a ilusão
Eu pensei que tinha o mundo em minhas mãos
Como um deus e amanheço mortal

E assim, repetindo os mesmos erros, dói em mim
Ver que toda essa procura não tem fim
E o que é que eu procuro afinal?

Um sinal, uma porta pro infinito, o irreal
O que não pode ser dito, afinal
Ser um homem em busca de mais, de mais...
Afinal, como estrelas que brilham em paz, em paz...

Lenine

Eu gosto do seu corpo


Eu gosto do seu corpo,
Eu gosto do que ele faz,
Eu gosto de como ele faz,
Eu gosto de sentir o calor do seu corpo,
Dos seus ossos,
E de sentir o tremor firme e quente
De quando lhe beijo,
E volto a beijar,
E volto a beijar,
E volto a beijar...

Edward Estlin Cummings

Filme - Closer - Perto Demais


Acabo de assistir esse filme, achei o filme muito bom, mostra encontros e desencontros de casais como muito outros que vê-mos por ai, porém de uma forma diferente, Closer mostra os conflitos de relacionamentos entre homens e mulheres de forma visceral, mostra sem pudor o que realmente acontece no momento em que as pessoas percebem que estão se perdendo, se desesperam, falam coisas que se arrependem, se apegam ao ego e as vaidades e esquecem de olhar para o que as levou até ali, o amor que sentiam uma pela outra, perdem completamente a razão e não conseguem encontrar uma saída que as leve na direção do que desejam.

Os diálogos são ótimos, recheados de sarcasmo e provocações sutis, diálogos inteligentes, gostei das interpretações de todos os quatro atores, penso que souberam mostrar todos os altos e baixos das discussões com muito talento, oscilavam de interpretações desesperadas para interpretações onde se mostravam fracos e tentavam manipular o companheiro. Realmente muito bom.

Esse filme reforça o que já sei e tento colocar em prática, para um relacionamento dar certo é necessário sinceridade, não falo de sinceridade com a outra pessoa, pois isso é o mínino, mas digo que é necessário sinceridade com sigo mesmo. Sem manipulações, falsas promessas. Muitas vezes precisamos abrir mão de algumas coisas, sempre nos policiando para não deixarmos de lado o amor próprio e passarmos a mimar em excesso o companheiro(a), precisamos nos livrar do ego e das vaidades, e acima de tudo amar, amar e amar... Mesmo que doa, doa e doa...

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Ai Que Saudade D'ocê


Não se admire se um dia
Um beija-flôr invadir
A porta da tua casa
Te der um beijo e partir...
Fui eu que mandei o beijo
Que é pra matar meu desejo
Faz tempo que não lhe vejo
Ah! que saudade d'ocê...

Se um dia ocê se lembrar
Escreva uma carta pra mim
Bote logo no correio
Com frases dizendo assim...
Faz tempo que não lhe vejo
Quero matar meu desejo
Lhe mando um monte de beijo
Ah! que saudade sem fim...

E se quiser recordar
Aquele nosso namoro
Quando eu ía viajar
E ocê caía no choro...
Eu chorando pela estrada
Mas o que eu posso fazer
Trabalhar é minha sina
Eu gosto mesmo é d'ocê!...

Vital Farias

Querem Meu Sangue

Olá queridos, amados, idolatrados leitores (risos). Nossa tanto carinho pode ser carência, preciso verificar isso.

Acabo de chegar do laboratório Lavoisier, fui retirar sangue para alguns exames, mas fiquem calmos são apenas exames de rotina, não será desta vez. Postei a musica Do it e agora estou aqui, escrevendo este post, e falando em sangue acabo de lembrar que preciso ir ao Pró Sangue, fazer minha doação já esta na hora.

Vocês devem estar curiosos do porque desta postagem, pois bem, enquanto fazia a extração de sangue para os tais exames, lembrei de uma música e vou posta-la na seqüencia.

Dizem que guardam um bom
Lugar pra mim no céu
Logo que eu for pro beleléu
A minha vida só eu sei como guiar
Pois ninguém vai me ouvir se eu chorar
Mas enquanto o sol puder arder
Não vou querer meus olhos escurecer

Pois se eles querem meu sangue
Verão o meu sangue só no fim
E se eles querem meu corpo
Só se eu estiver morto, só assim.

Titãs

Quando lembrei dessa passagem da letra, Pois se eles querem meu sangue, verão o meu sangue só no fim, tive vontade de saltar da cadeira roubar os tubos que continham meu sangue cantar o trecho da música e fugir correndo, seria engraçado (risos). Imagina o que as pessoas pensariam, "Meu Deus, olhem o nível de insanidade dessa pessoa em um feriado".

Era só isso! fui!

Do It

Tá cansada, senta
Se acredita, tenta
Se tá frio, esquenta
Se tá fora, entra
Se pediu, agüenta
Se pediu, agüenta...

Se sujou, cai fora
Se dá pé, namora
Tá doendo, chora
Tá caindo, escora
Não tá bom, melhora
Não tá bom, melhora...

Se aperta, grite
Se tá chato, agite
Se não tem, credite
Se foi falta, apite
Se não é, imite...

Se é do mato, amanse
Trabalhou, descanse
Se tem festa, dance
Se tá longe, alcance
Use sua chance
Use sua chance...

Se tá puto, quebre
Ta feliz, requebre
Se venceu, celebre
Se tá velho, alquebre
Corra atrás da lebre
Corra atrás da lebre...

Se perdeu, procure
Se é seu, segure
Se tá mal, se cure
Se é verdade, jure
Quer saber, apure
Quer saber, apure...

Se sobrou, congele
Se não vai, cancele
Se é inocente, apele
Escravo, se rebele
Nunca se atropele...

Se escreveu, remeta
Engrossou, se meta
E quer dever, prometa
Prá moldar, derreta
Não se submeta
Não se submeta...

Lenine e Ivan Santos

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Pétala


O seu amor
Reluz
Que nem riqueza
Asa do meu destino
Clareza do tino
Pétala
De estrela caindo
Bem devagar...

Oh! meu amor!
Viver
É todo sacrifício
Feito em seu nome
Quanto mais desejo
Um beijo, um beijo seu
Muito mais eu vejo
Gosto em viver
Viver!

Por ser exato
O amor não cabe em si
Por ser encantado
O amor revela-se
Por ser amor
Invade
E fim...

Djavan

É o Que Me Interessa


Daqui desse momento
Do meu olhar pra fora
O mundo é só miragem
A sombra do futuro
A sobra do passado
Assombram a paisagem
Quem vai virar o jogo e transformar a perda
Em nossa recompensa
Quando eu olhar pro lado
Eu quero estar cercado só de quem me interessa

Às vezes é um instante
A tarde faz silêncio
O vento sopra a meu favor
Às vezes eu pressinto e é como uma saudade
De um tempo que ainda não passou
Me traz o teu sossego
Atrasa o meu relógio
Acalma a minha pressa
Me dá sua palavra
Sussurre em meu ouvido
Só o que me interessa

A lógica do vento
O caos do pensamento
A paz na solidão
A órbita do tempo
A pausa do retrato
A voz da intuição
A curva do universo
A fórmula do acaso
O alcance da promessa
O salto do desejo
O agora e o infinito
Só o que me interessa

Lenine

Faz Parte Do Meu Show

Te pego na escola e encho a tua bola com todo o meu amor
Te levo pra festa e testo o teu sexo com ar de professor
Faço promessas malucas tão curtas quanto um sonho bom
Se eu te escondo a verdade, baby, é pra te proteger da solidão

Faz parte do meu show
Faz parte do meu show, meu amor...

Confundo as tuas coxas com as de outras moças
Te mostro toda a dor
Te faço um filho
Te dou outra vida pra te mostrar quem sou
Vago na lua deserta das pedras do Arpoador
Digo 'alô' ao inimigo
Encontro um abrigo no peito do meu traidor

Faz parte do meu show
Faz parte do meu show, meu amor...

Invento desculpas, provoco uma briga, digo que não estou
Vivo num 'clip' sem nexo
Um pierrot retrocesso
meio bossa nova e 'rock'n roll'

Faz parte do meu show
Faz parte do meu show, meu amor...

Cazuza e Renato Ladeira

Cabeças de atum...


Na segunda-feira (17/11), membros dos Greenpeace despejaram cinco toneladas de cabeças de atum na frente do Ministério da Pesca da França, em Paris, a intenção é protestar contra o colapso da exploração comercial da espécie no Oceano Atlântico e no Mar Mediterrâneo.

Piratas

Para aqueles que pensavam que os piratas estavam extintos, leiam a matéria abaixo!

terça-feira, 18 de novembro de 2008

A Mancha


A mancha vem comendo pela beira
O óleo já tomou a cabeceira do rio
E avança
A mancha que vazou do casco do navio
Colando as asas da ave praieira
A mancha vem vindo
Vem mais rápido que lancha
Afogando peixe, encalhando prancha
A mancha que mancha,
Que mancha de óleo e vergonha
Que mancha a jangada, que mancha a areia

Negra praia brasileira
Onde a morena gestante
Filha do pescador

Derrama lágrimas negras
Vigiando o horizonte
Esperando o seu amor

Lenine e Lula Queiroga

Observação: A imagem usada para ilustrar a letra é muito forte, chega a ser angustiante, mas é isso que Lenine e Lula Queiroga queriam mostrar quando escreveram a letra.

segunda-feira, 17 de novembro de 2008


Mais uma dor,
uma lágrima
e ninguém chegou

Mais uma noite,
uma chama
e nenhum amor

Mais uma mágoa,
uma chaga,
mais uma dor...

Wilian Jañez

Auge do consumismo

Outro dia, a Adriane Galisteu deu uma entrevista dizendo que os homens não querem namorar as mulheres que são símbolos sexuais. É isto mesmo.
Quem ousa namorar a Feiticeira ou a Tiazinha?
As mulheres não são mais para amar; nem para casar. São para "ver".
Que nos prometem elas, com suas formas perfeitas por anabolizantes e silicones?
Prometem-nos um prazer impossível, um orgasmo metafísico, para o qual os homens não estão preparados...
As mulheres dançam frenéticas na TV, com bundas cada vez mais malhadas, com seios imensos, girando em cima de garrafas, enquanto os penispectadores se sentem apavorados e murchos diante de tanta gostosura.
Os machos estão com medo das "mulheres-liquidificador".
O modelo da mulher de hoje, que nossas filhas ou irmãs almejam ser (meu Deus!), é a prostituta transcendental, a mulher-robô, a "Valentina", a "Barbarela", a máquina-de-prazer sem alma, turbinas de amor com um hiperatômico tesão.
Que parceiros estão sendo criados para estas pós-mulheres? Não os há.
Os "malhados", os "turbinados" geralmente são bofes-gay, filhos do mesmo narcisismo de mercado que as criou.
Ou, então, reprodutores como o Zafir, para o Robô-Xuxa.
A atual "revolução da vulgaridade", regada a pagode, parece "libertar" as mulheres.
Ilusão à toa.
A "libertação da mulher" numa sociedade escravista como a nossa deu nisso: Superobjetos. Se achando livres, mas aprisionadas numa exterioridade corporal que apenas esconde pobres meninas famintas de amor, carinho e dinheiro.
São escravas aparentemente alforriadas numa grande senzala sem grades.
Mas, diante delas, o homem normal tem medo.
Elas são "areia demais para qualquer caminhãozinho".
Por outro lado, o sistema que as criou enfraquece os homens.
Eles vivem nervosos e fragilizados com seus pintinhos trêmulos, decadentes, a meia-bomba, ejaculando precocemente, puxando sacos, lambendo botas, engolindo sapos, sem o antigo charme "jamesbondiano" dos anos 60.
Não há mais o grande "conquistador".
Temos apenas os "fazendeiros de bundas" como o Huck, enquanto a maioria virou uma multidão de voyeur, babando por deusas impossíveis.
Ah, que saudades dos tempos das bundinhas e peitinhos "normais" e "disponíveis"...
Pois bem, com certeza a televisão tem criado "sonhos de consumo" descritos tão bem pela língua ferrenha do Jabor (eu).
Mas ainda existem mulheres de verdade.
Mulheres que sabem se valorizar e valorizar o que tem "dentro de casa", o seu trabalho.
E, acima de tudo, mulheres com quem se possa discutir um gosto pela música, pela cultura, pela família, sem medo de parecer um "chato" ou um "cara metido a intelectual".
Mulheres que sabem valorizar uma simples atitude, rara nos homens de hoje, como abrir a porta do carro para elas.
Mulheres que adoram receber cartas, bilhetinhos (ou e-mails) românticos!!
Escutar no som do carro, aquela fitinha velha dos Beegees ou um cd do Kenny G (parece meio breguinha)...mas é tão boooom namorar escutando estas musiquinhas tranquilas!!!
Penso que hoje, num encontro de um "Turbinado" com uma "Saradona" o papo deve ser do tipo:
-"meu"... o meu professor falou que posso disputar o Iron Man que vou ganhar fácil!."
-"Ah "meu"..o meu personal Trainner disse que estou com os glúteos bem em forma e que nunca vou precisar de plástica". E a música???
Só se for o "último sucesso (????)" dos Travessos ou "Chama-chuva..." e o "Vai serginho"???...
Mulheres do meu Brasil Varonil!!! Não deixem que criem estereótipos!!
Não comprem o cinto de modelar da Feiticeira. A mulher brasileira é linda por natureza!!
Curta seu corpo de acordo com sua idade, silicone é coisa de americana que não possui a felicidade de ter um corpo esculpido por Deus e bonito por natureza. E se os seus namorados e maridos pedirem para vocês "malharem" e ficarem iguais à Feiticeira, fiquem... igual a feiticeira dos seriados de Tv:
Façam-os sumirem da sua vida!

Arnaldo Jabor

Continuação

O contra o encontro a contração
A era o eros a erosão
A fera a fúria o furacão
O como o cosmo a comunhão
A comunhão

O pré a prece a procissão
O pós o póstumo a possessão
A cor a corte a curtição
Amor a morte a continuação
A continuação

Lenine

Filme - Doce Novembro

Essa madrugada assisti Doce Novembro mais uma vez, e cheguei a seguinte conclusão, quando você estiver a fim de desabafar e chorar, não vá para um bar encher a cara, poupe seu fígado, basta você assistir este filme.

O filme é muito bom e imprevisível, o final é muito triste e ao mesmo tempo muito bonito, confesso que chorei muito, mas quando digo muito é por que foi muito mesmo! (risos). Não tenho vergonha em assumir, não me sinto menos homem por isso. Lógico que o filme seu lado fantasioso, acho difícil o que assistir acontecer na vida real.

Recomendo a todos, porém assista o filme de alma limpa, entre na história sinta o filme.

Magra


Moça
Pernas de pinça
Alta
Corpo de lança
Magra
Olhos de corça
Leve
Toda cortiça
Passa
Como que nua
Calma
Finge que voa
Brasa
Chama na areia
Bela
Como eu queria
Magra, leve, calma
Toda ela bela
Tudo nela chama
Segue
Enquanto suspiro
Toda
Cor de tempero
Cheira
Um cheiro tão raro
Clara
Cura o escuro
Ela
Braços de linha
Dengo
Cheio de manha
Durmo
E peço que venha
Acordo
E sonho que é minha
Magra, leve, calma
Toda ela bela
Tudo nela

Lenine

domingo, 16 de novembro de 2008

Filme - O Pianista

Essa manhã assisti o filme O Pianista, é um excelente filme que mostra os horrores da segunda grande guerra, onde um pianista luta para se manter vivo, o filme é francês e bem impressionista, ao contrário de outros filmes que retratam o mesmo tema, o mocinho, no caso o pianista, não possuí nenhuma mocinha, o filme de fato retrata as dores da guerra.

O personagem principal da história, Wladyslaw Szpilman, é interpretado por Adrien Brody, que mostrou todo seu talento como ator, seu talento se mostra mais nítido a partir do momento que seu personagem se encontra só e refugiado na cidade destruída.


Recomendo!

Show - Lenine - Labiata

Ontem fui ao SESC Pinheiros assistir Lenine apresentar seu novo CD Labiata, consegui meu ingresso pela bagatela de R$ 15,00. Preço baixo, mesmo considerando que o valor é meia entrada, valor para estudante.

A apresentação teve alguns problemas, como por exemplo o som exageradamente alto e um canhão de luz que insistentemente, por alguns instante durante a apresentação, mirava justamente os meus olhos, Danilo, meu amigo, também sofreu com esse canhão do mal (risos).

Fora isso, China, um cantor convidado que participa da faixa Excesso Exceto, cometeu o grave erro de por um momento esquecer a letra, creio eu que o mínimo que o cantor deve fazer é ter a letra a ser cantada fresca em sua cabeça, fora essa falha grave, o rapaz ao meu ver teve uma boa desenvoltura no palco ao fazer uma interpretação corporal da letra.

Encaro essa apresentação como uma homologação do show, é fato que outras apresentações não terão o preço reduzido como a que assisti ontem, sendo assim o público será mais exigente, logo usa-se apresentações mais baratas para por em teste o projeto.

Lenine esteve ótimo durante o show, ao menos me agradou, recomendo a todos.

Com esse post declaro que a semana que se iniciará em algumas horas, será dedicada a poesia de Lenine.

sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Vento no litoral


De tarde quero descansar
Chegar até a praia e ver
Se o vento ainda esta forte
E vai ser bom subir nas pedras

Sei! Que faço isso pra esquecer
Eu deixo a onda me acertar
E o vento vai levando
Tudo embora...

Agora está tão longe vê, a linha do horizonte me distrai
Dos nossos planos é que tenho mais saudade
Quando olhavamos juntos
Na mesma direçao
Aonde está você agora
Alem de aqui dentro de mim...

Agimos certo sem querer
Foi só, o tempo que errou
Vai ser dificil sem você
Porque você esta comigo
O tempo todo
E quando vejo o mar
Existe algo que diz
Que a vida continua
E se entregar, é uma bobagem...

Já que você não está aqui
O que posso fazer
É cuidar de mim
Quero ser feliz ao menos,
Lembra que o plano
Era ficarmos bem...

Olha só o que eu achei
Cavalos-marinhos...

Sei que faço isso
Pra esquecer
Eu deixo a onda me acertar
E o vento vai levando
Tudo embora...

Renato Russo

Quem amanhã?


E, enquanto eu canto
A hipocrisia se esparrama
Na maior democracia
A liberdade cai na lama
O protocolo de Kyoto
Foi pro esgoto e eu me pergunto
Até onde vai essa fúria malsã
Do tio Sam contra o Talibã
Do tio Sam contra o Iraque, o Irã
Do Tio Sam contra a ONU
Contra quem amanhã?

Extraído do bog metamorfoses da alma, recomendo!

Leonardo da Vinci

"Para estar junto não é preciso estar perto,
e sim do lado de dentro"


Leonardo da Vinci

Max Gehringer

Vi um anúncio de emprego. A vaga era de Gestor de Atendimento Interno nome que agora se dá à Seção de Serviços Gerais.

E a empresa exigia que os interessados possuíssem - sem contar a formação superior - liderança, criatividade, energia, ambição, conhecimentos de informática, fluência em inglês e não bastasse tudo isso, ainda fossem HANDS ON.

Para o felizardo que conseguisse convencer o entrevistador de que possuía essa variada gama de habilidades, o salário era um assombro: 800 reais. Ou seja, um pitico.

Não que esse fosse algum exemplo fora da realidade. Ao contrário, é quase o paradigma dos anúncios de emprego.

A abundância de candidatos permite que as empresas levantem cada vez mais a altura da barra que o postulante terá de saltar para ser admitido. E muitos, de fato, saltam. E se empolgam. E aí vêm as agruras da super-qualificação, que é uma espécie do lado avesso do efeito pitico...

Vamos supor que, após uma duríssima competição com outros candidatos tão bem preparados quanto ela, a Fabiana conseguisse ser admitida como gestora de atendimento interno.. E um de seus primeiros clientes fosse o seu Borges, Gerente da Contabilidade.

Seu Borges: -- Fabiana, eu quero três cópias deste relatório.

Fabiana: -- In a hurry!

Seu Borges: -- Saúde.

Fabiana: -- Não, Seu Borges, isso quer dizer 'bem rapidinho'. É que eu tenho fluência em inglês. Aliás, desculpe perguntar, mas por que a empresa exige fluência em inglês se aqui só se fala português?

Seu Borges: -- E eu sei lá? Dá para você tirar logo as cópias?

Fabiana: -- O senhor não prefere que eu digitalize o relatório? Porque eu tenho profundos conhecimentos de informática.

Seu Borges: -- Não, não.. Cópias normais mesmo.

Fabiana: -- Certo. Mas eu não poderia deixar de mencionar minha criatividade. Eu já comecei a desenvolver um projeto pessoal visando eliminar 30% das cópias que tiramos.

Seu Borges: -- Fabiana, desse jeito não vai dar!

Fabiana: -- E eu não sei? Preciso urgentemente de uma auxiliar.

Seu Borges: -- Como assim?

Fabiana: -- É que eu sou líder, e não tenho ninguém para liderar. E considero isso um desperdício do meu potencial energético.

Seu Borges: -- Olha, neste momento, eu só preciso das três cópias.

Fabiana: -- Com certeza. Mas antes vamos discutir meu futuro...

Seu Borges: -- Futuro? Que futuro?

Fabiana: -- É que eu sou ambiciosa. Já faz dois dias que eu estou aqui e ainda não aconteceu nada.

Seu Borges: -- Fabiana, eu estou aqui há 18 anos e também não me aconteceu nada!

Fabiana: -- Sei. Mas o senhor é hands on?

Seu Borges: -- Hã?

Fabiana: -- Hands on....Mão na massa.

Seu Borges: -- Claro que sou!

Fabiana: -- Então o senhor mesmo tira as cópias.. E agora com licença que eu vou sair por aí explorando minhas potencialidades. Foi o que me prometeram quando eu fui contratada.

Então, o mercado de trabalho está ficando dividido em duas facções:



1 - Uma, cada vez maior, é a dos que não conseguem boas vagas porque não têm as qualificações requeridas.

2 - E o outro grupo, pequeno, mas crescente, é o dos que são admitidos porque possuem todas as competências exigidas nos anúncios, mas não poderão usar nem metade delas, porque, no fundo, a função não precisava delas.


Alguém ponderará - com justa razão - que a empresa está de olho no longo prazo: sendo portador de tantos talentos, o funcionário poderá ir sendo preparado para assumir responsabilidades cada vez maiores. Em uma empresa em que trabalhei, nós caímos nessa armadilha. Admitimos um montão de gente super-qualificada. E as conversas ficaram de tão alto nível que um visitante desavisado confundiria nossa salinha do café com a Fundação Alfred Nobel. Pessoas super-qualificadas não resolvem simples problemas!

Um dia um grupo de marketing e finanças foi visitar uma de nossas fábricas e no meio da estrada, a van da empresa pifou.. Como isso foi antes do advento do milagre do celular, o jeito era confiar no especialista, o Cleto, motorista da van. E aí todos descobriram que o Cleto falava inglês, tinha informática, energia, criatividade e estava fazendo pós-graduação... só que não sabia nem abrir o capô. Duas horas depois, quando o pessoal ainda estava tentando destrinchar o manual do proprietário, passou um sujeito de bicicleta. Para horror de todos, ele falava 'nóis vai' e coisas do gênero. Mas, em 2 minutos, para espanto geral, botou a van para funcionar. Deram-lhe uns trocados, e ele foi embora feliz da vida.

Aquele ciclista anônimo era o protótipo do funcionário para quem as Empresas modernas torcem o nariz: O QUE É CAPAZ DE RESOLVER, MAS NÃO DE IMPRESSIONAR.

Max Gehringer / Colunista da Revista EXAME

Dia Mundial da Diabete

Hoje é realizado o dia mundial da Daiabete.

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

O Lula viaja... Literalmente...

O presidente Lula se encontra com o papa Bento XVI. Lula, que está em viagem oficial à Itália, participou de audiência com o Papa nesta quinta-feira.

Alguém consegue me explicar o que esse cidadão quer com o papa?
Discutir economia? Novos mercados? Fome zero? tsi tsi...

Enquanto ele faz turismo agente se fode aqui!!!

Boa foto...

Crocodilo morde a cabeça de uma zebra que tenta cruzar o rio Mara, na reserva ambiental de Masai Mara.

Muito boa esta foto, pobre da ex-zebra.

Piadinha...

Lula afirma que a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, é a candidata que tem em mente para disputar as eleições presidenciais de 2010 pelo PT.

Piada de Humor Negro a essa hora da tarde não rola.