segunda-feira, 30 de março de 2009

Love of my life

Algumas pessoa passam pela vida da forma mais breve possível. As vezes parece que essas pessoas não vieram ao mundo para viver para si e sim apenas para através da arte nos tocar e emocionar de alguma forma. Essas pessoas vivem da maneira ideal para tornar-se capaz de colocar todo tipo emoção em sua arte.

Quando lê-mos ou ouvimos algo romanticamente bonito ou algo extremamente carregado de dor, somos tocados em parte por esse sentimento depositado nessa manifestação artística, mas isso dura até o momento que provamos o próximo poema ou quem sabe a próxima faixa do disco, porem se pararmos para pensar como estaria essa pessoa no momento em que desenvolveu aquela arte, podemos chegar a conclusão que por trás da beleza do artista sempre corremos o risco de encontrar alguém muito infeliz, infeliz ao ponto de deixar de viver.

Love of my life, you've hurt me
You've broken my heart, now you leave me.
Love of my life can't you see,

Bring it back bring it back,
Don't take it away from me,
Because you don't know
What it means to me.

Love of my life don't leave me,
You've taken my love, you now desert me,
Love of my life can't you see,

Bring it back bring it back,
Don't take it away from me,
Because you don't know
What it means to me.

You will remember
When this is blown over,
And everythings all by the way,
When I grow older,
I will be there at your side,
To remind you how I still love you
I still love you.

Back hurry back
Please bring it back home to me
Because you don't know
What it means to me
Love of my life
Love of my life
Yeah


Amor da minha vida, você me feriu
Você quebrou meu coração e agora me deixou
Amor da minha vida você não entende
Traga-o de volta, traga-o de volta, não o leve de mim,
Porque você não sabe o quanto é importante para mim.

Amor da minha vida, não me deixe
Você roubou meu coração e agora deixou-me sozinho
Amor da minha vida, você não entende
Traga-o de volta, traga-o de volta, não o tire de mim
Porque você não sabe o quanto é importante para mim

Você se lembrará quando isso acabar
E todas as coisas dessa maneira tiverem fim
Quando eu envelhecer, eu estarei ao seu lado para lembrar-lhe
Como eu continuo te amando, eu continuo te amando

Volte, volta logo, por favor traga-o de volta para mim
Porque você não sabe o quanto é importante pra mim

Amor da minha vida,
Amor da minha vida...

Freddie Mercury

domingo, 29 de março de 2009

Earth Hour

Earth Hour ou Hora do Planeta na nossa versão, não teve o apoio e participação apenas da ONG's, como acontece normalmente, o congresso particiou o apoiou a causa.

Veja matéria publicada no site da WWF Brasil. CLICK!

sexta-feira, 27 de março de 2009

Earth Hour


Dia 28 de março, das 20h30 às 21h30, desligue as luzes da sua sala.

Conhecido mundialmente como Earth Hour, a Hora do Planeta será promovida no País pela primeira vez pelo WWF-Brasil. A Hora do Planeta é um ato simbólico no qual, governos, empresas e a população de todo o mundo são convidados a apagar as luzes para demonstrar sua preocupação com o aquecimento global e as mudanças climáticas.

É preciso encontrar uma solução para o aquecimento global. O gesto simples de apagar as luzes por sessenta minutos, possível em todos os lugares do planeta, tem o significado de chamar para uma reflexão sobre tema ambiental. Mais de 170 cidades de 62 países, incluindo a cidade de São Paulo, já confirmaram sua adesão à Hora do Planeta.

Qualquer pessoa pode aderir à Hora do Planeta. Basta se cadastrar no site e apagar as luzes de 20h30 às 21h30, no dia 28 de março: www.horadoplaneta.org.br.

Realizada pela primeira vez em 2007, a Hora do Planeta contou com a participação de 2,2 milhões de moradores de Sidney, na Austrália. Já em 2008, o movimento contou com a participação de 50 milhões de pessoas, de 400 cidades em 35 países. Simultaneamente apagaram-se as luzes do Coliseu, em Roma, da ponte Golden Gate, em São Francisco e da Opera House, em Sidney, entre outros ícones mundiais.

Contamos com você também!

Os Ombros Suportam o Mundo


"Chega um tempo em que não se diz mais: meu Deus.
Tempo de absoluta depuração.
Tempo em que não se diz mais: meu amor.
Porque o amor resultou inútil.
E os olhos não choram.
E as mãos tecem apenas o rude trabalho.
E o coração está seco"

Trecho de Os Ombros Suportam o Mundo de Drummond.

Dubai - A cara do mundo

Nesse momento acabo de assistir no Discovery Channel um documentário denominado Dubai Futurista.

Eu tinha uma leve noção sobre o que estava acontecendo em Dubai. Na minha desatenta percepção em Dubai estavam desenvolvendo mega construções e ponto final, sem mais detalhes. Porem após assistir esse documentário é que tive noção da grandeza da vaidade dos homens das obras que estão sendo construídas por lá, e resolvi partilhar essa informação com vocês.

Dubai tem sido governado pela dinastia Al Maktoum desde 1833. O atual governante de Dubai é Mohammed bin Rashid Al Maktoum e é do desejo deste homem que nascem essas obras faraônicas.

Em Dubai encontramos o maior parque de inverno do mundo, lembrando Dubai fica na costa sul do Golfo Pérsico ou seja um lugar quente pra caralho muito quente, lá também encontramos um edifício que se mantém em constante movimento giratório, para que possam imaginar o que falo essa construção gira em torno de seu próprio eixo e os ricos pra burro moradores da cobertura podem até controlar essa rotação. Hoje o maior edifício do mundo com mais de 600 metros de altura está em Dubai, esse edifício continua avançando em direção ao céu, 600 metros não é a altura final.

Porem o que mais me impressionou foram os trechos de Dubai que foram construídos artificialmente. Vamos lá! Dubai possui 60 km de litoral, com a exploração imobiliária todos as propriedades a beira mar foram compradas, logo não havia mais imóveis a beira mar disponíveis. Então Mohammed, para ter mais litoral para o setor imobiliário, construiu esses terrenos artificiais avançando mar a dentro, essa construção pode ser vista do espaço e tem o formato de uma palmeira, pois as palmeiras são muito presentes na região.


Com isso Mohammed deu a Dubai mais 70 km de litoral e a construção ficou tão boa que Mohammed esta construindo mais duas.

Se reparamos as palmeiras estão ligadas ao continente, logo não podem ser consideras ilhas. Mohammed fez um desafio a seus engenheiros, designers, construtores, escravos e etc. Mohammed os desafiou a construir ilhas no mar de Dubai, como com muito, mais muito e muito dinheiro tudo é possível, estão sendo criadas 300 ilhas que juntas formaram o desenho do mapa no nosso planeta.


Como podem ver na imagem é algo muito grande, essas 300 ilhas estão sendo construídas em um ritmo de uma ilha por semana. Logo Dubai será da forma que podemos ver na imagem abaixo.


Resumindo quando pensarmos em luxo, futuro, modernidade e coisas que demoramos a acreditar devemos pensar em Dubai.

Eu dou mais uma notória característica a Dubai. Socialmente falando Dubai, além de todas essas coisas, também é atualmente o maior exemplo da desigualdade social existente em nosso planeta, enquanto povos inteiros morrem de fome e doenças que já podem ser controladas, outros constroem ilhas apenas para saber se é possível construí-las.

quinta-feira, 26 de março de 2009

Conflito...


Só quem sabe o que eu penso
entende o que eu quero
e por que eu grito

Apenas quem sabe o que eu desejo
entende o que eu busco
quando me agito

E só quem sente como eu sinto
entende o que acontece
quando me mostro esquisito

Wilian Jañez

Tomara


Tomara
Que você volte depressa
Que você não se despeça
Nunca mais do meu carinho
E chore, se arrependa
E pense muito
Que é melhor se sofrer junto
Que viver feliz sozinho

Tomara
Que a tristeza te convença
Que a saudade não compensa
E que a ausência não dá paz
E o verdadeiro amor de quem se ama
Tece a mesma antiga trama
Que não se desfaz

E a coisa mais divina
Que há no mundo
É viver cada segundo
Como nunca mais

Vinicius de Moraes

Precisamos de mais Vinicius de Moraes por Ivan


Estou muito envolvido ultimamente com a obra de Vinícius de Moraes. Na verdade sempre gostei de bossa nova e, particularmente, das músicas que ele compunha. Porém ultimamente tenho lido muita coisa dele, além de ouvido, claro!

Ganhei de amigo secreto aqui do trabalho, um DVD com um documentário sobre a vida do boêmio Vinícius, contando seus amores, desamores e composições. Aí já viu né. Eu com um tocador de vinil, um documentário sobre a vida dele e alguns livros de entrevistas e poesias, não podia dar outra coisa para me fazer chegar a conclusão de que precisamos de mais Vinícius de Moraes por aí.

A vida dele se parece muito com a do Cazuza, mas difere no ponto de não ser tão irresponsável e mimado como ele. Vinícius tinha um emprego no Itamaraty e tinha a competência necessária para saber dividir sua vida de diplomata e de poeta. Porém sua vida poeta era completamente desregrada e etílica. Quando vestia a carapuça de poeta, enchia a casa de gente que nem conhecia, se embebedava sempre e amava… amava muito e sem limites.

O que transformou Vinícius de Moraes em Vinícius de Moraes foi o amor. Casou-se nove vezes e ficava com a esposa da vez até que a paixão acabasse. Vivia intensamente o que sentia e, depois, sofria intensamente a separação… isso até se engraçar com outra moçoila. E, durante esse processo de paixão-fossa, ele compunha os mais belos poemas que hoje podemos ver em qualquer propaganda do Boticário.

Uma das coisas que não sabia, e que acabei descobrindo lendo uma de suas entrevistas, foi que ele que colocou Tom Jobim debaixo dos holofotes. Foi durante a peça Orfeu da Conceição, escrita pelo Vinícius, que perceberam que estavam precisando de um maestro/pianista para escrever algumas músicas. Então Vinícius foi informado que tinha um cara que tocava um piano safado num barzinho lá no Rio e que seria perfeito para o emprego. Daí então surgiu a maior parceira depois de Chitãozinho&Xororó da música brasileira.

Voltando ao fim do segundo parágrafo, acho que do jeito que estamos hoje, com tudo nos eixos, todas as celebridades vigiadas e que, quando tem alguém que vive no limite, este alguém é jogado na cova dos leões, fica difícil de termos coisas tão boas como o Soneto do Amor Total ou ouvir por aí acordes tão bonitos como os de Eu Sei que Vou te Amar. Falta gente vivendo intensamente a dor e o amor. Faltam heróis e vagabundos declarados (e de carteira assinada).

Falta… falta muito para que possamos ver outro poetinha por aí.

sábado, 21 de março de 2009

Novos heróis

Novos tempos, novos heróis...

Referência

Moça

Fotografia de Paulo Almeida

Moça
Me espere amanhã
Levo o meu coração
Pronto pra te entregar

Moça
Moça eu te prometo
Eu me viro do avesso
Só pra te abraçar

Moça
Sei que já não é pura
Teu passado é tão forte
Pode até machucar

Moça
Dobre as mangas do tempo
Jogue o teu sentimento
Todo em minhas mãos

Eu quero me enrolar
Nos teus cabelos
Abraçar
Teu corpo inteiro
Morrer de amor
De amor me perder

Eu quero
Eu quero

Eu quero me enrolar
Nos teus cabelos
Abraçar
Teu corpo inteiro
Morrer de amor
De amor me perder

Wando

Outono

Ontem dia 20 de Março iniciou-se o Outono e eu por distração acabei por deixar esse acontecimento passar em branco. Então com um dia de atraso vamos marcar de alguma forma esta data.


Quando chega Outono
Não sei por que caem
Não sei se alegria
Não sei se cansaço
Não sei se tristeza

Mas caem...

Nascem na Primavera,
Vivem no Verão
E no Outono não morrem...
As folhas apenas caem

Wilian Jañez

quarta-feira, 18 de março de 2009

Eu te amo porque te amo


Não precisas ser amante,
e nem sempre sabes sê-lo.
eu te amo porque te amo.
amor é estado de graça e
com amor não se paga.

amor é dado de graça,
é semeado no vento,
na cachoeira,
no eclipse.
amor foge a dicionários
e a regulamentos vários

eu te amo porque te amo,
bastante ou demais a mim
porque amor não se troca,
não se conjuga
nem se ama
porque amor é amor a nada,
feliz e forte em si mesmo

amor é primo da morte,
e da morte vencedor,
por mais que o matem (e matam)
a cada instante de amor.

Carlos Drummond de Andrade

terça-feira, 17 de março de 2009

Mulher de hotel


Aos poucos foram todos embora.
Talvez meu corpo cansado
tenha perdido o gosto doce de menina
que pouco a pouco lábios
carregaram para longe de mim...

Já não tinha o mesmo cheiro de flor,
o mesmo som de festa,
a mesma graça de menina pura.
Tudo que restou era pouco
e eles foram embora...

Da maneira que me deixaram me mantive, Nua!
Sozinha em um quarto que nunca foi meu,
mantinha a esperança de que alguém iria chegar,
deitar em minha cama e identificar em mim,
um novo gosto, um novo cheiro, um novo som,
e achar graça de uma nova graça que existiria em mim
e iria me amar e não iria me usar e não iria partir...

Wilian Jañez

Amor


Amemos! Quero de amor
Viver no teu coração!
Sofrer e amar essa dor
Que desmaia de paixão!
Na tu'alma, em teus encantos
E na tua palidez
E nos teus ardentes prantos
Suspirar de languidez!

Quero em teus lábio beber
Os teus amores do céu,
Quero em teu seio morrer
No enlevo do seio teu!
Quero viver d'esperança,
Quero tremer e sentir!
Na tua cheirosa trança
Quero sonhar e dormir!

Vem, anjo, minha donzela,
Minha'alma, meu coração!
Que noite, que noite bela!
Como é doce a viração!
E entre os suspiros do vento
Da noite ao mole frescor,
Quero viver um momento,
Morrer contigo de amor!

Manuel Antônio Álvares de Azevedo

sábado, 14 de março de 2009

Dia da Poesia


Hoje comemoramos o dia da Poesia e eu como amante desta arte não poderia deixar que esse dia passasse desapercebido, porem acredito que a Poesia, assim como outras coisas, devem ser comemoradas todos os dias e em todos o momentos.

Para ilustrar esse dia poderia trazer Andrades, Clarices, Olavos... Mas assim como muitos penso que a poesia se torna mais bonita e mais densa na dor, e ninguém expressou isso melhor que Vinícius de Moraes, por esse e outros motivo deixo a vocês essa poesia.


Ausência

Eu deixarei que morra em mim o desejo de amar os teus olhos que são doces.
Porque nada te poderei dar senão a mágoa de me veres eternamente exausto.
No entanto a tua presença é qualquer coisa como a luz e a vida
E eu sinto que em meu gesto existe o teu gesto e em minha voz a tua voz.
Não te quero ter porque em meu ser tudo estaria terminado.
Quero só que surjas em mim como a fé nos desesperados
Para que eu possa levar uma gota de orvalho nesta terra amaldiçoada.
Que ficou sobre a minha carne como nódoa do passado.
Eu deixarei... tu irás e encostarás a tua face em outra face.
Teus dedos enlaçarão outros dedos e tu desabrocharás para a madrugada.
Mas tu não saberás que quem te colheu fui eu, porque eu fui o grande íntimo da noite.
Porque eu encostei minha face na face da noite e ouvi a tua fala amorosa.
Porque meus dedos enlaçaram os dedos da névoa suspensos no espaço.
E eu trouxe até mim a misteriosa essência do teu abandono desordenado.
Eu ficarei só como os veleiros nos pontos silenciosos.
Mas eu te possuirei como ninguém porque poderei partir.
E todas as lamentações do mar, do vento, do céu, das aves, das estrelas.
Serão a tua voz presente, a tua voz ausente, a tua voz serenizada.

sexta-feira, 13 de março de 2009

Cuidar de Mim


Minha cabeça bem confusa
Só de ver ela passar
Só de ver ela sem mim
Ainda usa a mesma blusa
Com o broche que eu lhe dei
Combinando com o colar

Eu fico imaginando coisas
Me pego imaginando coisas

Lembranças de um tempo bom
Que a gente se amava em paz
Que pena que eu vacilei
Agora que não dá mais
Você não me deu perdão
Não tem problema
Espero que esteja bem
Feliz como eu fui feliz
O tempo é quem vai dizer
A vida quem quis assim
Não sou capaz de entender
Como saí de cena
Não dá pra mim
Eu vou voar
Melhor assim

Gabriel Moura, Rogê e Seu Jorge

Caminhos Cruzados


Quando um coração que está cansado de sofrer
Encontra um coração também cansado de sofrer
É tempo de se pensar
Que o amor pode de repente chegar

Quando existe alguém que tem saudade de alguém
E este outro alguém não entender
Deixa este novo amor chegar
Mesmo que depois
Seja imprescindível chorar

Que tolo fui eu, que em vão tentei raciocinar
Nas coisas do amor que ninguém pode explicar
Vem nós dois vamos tentar
Só um novo amor
Pode a saudade apagar

Dolores Duran e Tom Jobim

quarta-feira, 11 de março de 2009

Só de Sacanagem

Meu coração está aos pulos! Quantas vezes minha esperança será posta à prova? Por quantas provas terá ela que passar? Tudo isso que está aí no ar, malas, cuecas que voam entupidas de dinheiro, do meu dinheiro, que reservo duramente para educar os meninos mais pobres que eu, para cuidar gratuitamente da saúde deles e dos seus pais, esse dinheiro viaja na bagagem da impunidade e eu não posso mais. Quantas vezes, meu amigo, meu rapaz, minha confiança vai ser posta à prova? Quantas vezes minha esperança vai esperar no cais? É certo que tempos difíceis existem para aperfeiçoar o aprendiz, mas não é certo que a mentira dos maus brasileiros venha quebrar no nosso nariz. Meu coração está no escuro, a luz é simples, regada ao conselho simples de meu pai, minha mãe, minha avó e dos justos que os precederam: "Não roubarás", "Devolva o lápis do coleguinha", " Esse apontador não é seu, minha filhinha". Ao invés disso, tanta coisa nojenta e torpe tenho tido que escutar. Até habeas corpus preventivo, coisa da qual nunca tinha visto falar e sobre a qual minha pobre lógica ainda insiste: esse é o tipo de benefício que só ao culpado interessará. Pois bem, se mexeram comigo, com a velha e fiel fé do meu povo sofrido, então agora eu vou sacanear: mais honesta ainda vou ficar. Só de sacanagem! Dirão: "Deixa de ser boba, desde Cabral que aqui todo o mundo rouba" e eu vou dizer: Não importa, será esse o meu carnaval, vou confiar mais e outra vez. Eu, meu irmão, meu filho e meus amigos, vamos pagar limpo a quem a gente deve e receber limpo do nosso freguês. Com o tempo a gente consegue ser livre, ético e o escambau. Dirão: "É inútil, todo o mundo aqui é corrupto, desde o primeiro homem que veio de Portugal". Eu direi: Não admito, minha esperança é imortal. Eu repito, ouviram? IMORTAL! Sei que não dá para mudar o começo mas, se a gente quiser, vai dar para mudar o final.

Elisa Lucinda

segunda-feira, 9 de março de 2009

Mundo


"Desejo que o mundo caia sobre mim
e me parta em mil pedaços,
assim poderei ama-lo ou odiá-lo mil vezes mais"


Wilian Jañez

Pensamento...


Um dos piores defeitos das pessoas é o fato de que quanto menos sabemos mais acreditamos saber. Por vezes julgamos ter conhecimento sobre as idéias dos outros, sobre o que pensam e o que desejam, quando na verdade não sabemos nem o que nós mesmos pensamos.

Por mais que pense ao contrário, você não conhece seus filhos, não sabe onde eles vão, com quem vão e quando voltam. Seus filhos não te conhecem, não sabem sobre as coisas que você viveu assim como você jamais sabará sobre as coisas que eles estão vivendo.

Mas mesmo assim julgamos, falamos e apontamos fatos que desconhecemos com a mesma segurança de quem possui total conhecimento sobre o assunto. Para conhecer alguém você deve primeiramente conhecer a você mesmo, saber sobre seus defeitos, sobre suas fraquezas e saber evitar os momentos em que você se encontra mais propício a falhas, caso contrário você nunca será conhecedor de ninguém, no máximo uma pessoa portadora de uma arrogância involuntária e curiosa, desejosa de saber o que os outros pensam e o que sentem, mas no fundo fraca e incapas de assumir que não somos capazes de entender nem a nós mesmos.

Wilian Jañez

quinta-feira, 5 de março de 2009

Americano é preso após enfiar gato em cachimbo para fumar maconha

Policiais flagraram um jovem de 20 anos morador de Omaha, Nebraska, fumando maconha em um ‘bong’ - espécie de cachimbo que utiliza água para filtrar a fumaça da droga, semelhante ao narguilé. Dentro de uma caixa de 30 cm por 15 cm, estava o gato, uma fêmea de 6 meses batizada de Shadow.


“Quando levamos Shadow para o abrigo, ela estava bem ‘chapada’ brinca o sargento Andy Stebbing, responsável pela detenção do dono do animal. Ela ficou no banco da frente do carro da polícia, deitada, com os olhos bem abertos, e não se mexeu durante todo o caminho”, conta o sargento.


Poxa, sacanagem! rs

quarta-feira, 4 de março de 2009

Sincero amor

Todo poeta também chora.
Por detrás de frases de impacto
e versos bem elaborados
existe alguém que também erra
que também sofre
que morre de raiva
que sangra de dor
e sofre de amor.

Todo poeta quer ser normal
ser comum como todos
e fazer como sempre fizeram
nascer,
crescer,
casar,
ver nascer os filhos,
mimar os netos
e morrer.

Sem mais complicações
sem impulsos artisticos descontrolados
sem raciocínios diferenciados
sem mentiras
sem desamor
sem trair
sem partir
sem fugir.

apenas ser comum
apenas ser mais um
viver apenas um eterno e sincero amor.

Wilian Jañez

terça-feira, 3 de março de 2009

Vivendo


Conforme passam os anos
e nossos rostos vão envelhecendo,
nossas convicções se desfazendo
e tudo que achamos tão certo perde a razão
Os amores que eram pra sempre
não existem mais
e aquele que você jurava não sentir
de tempos em tempos retorna
crescendo cada vez mais
Descobrimos que o desejo
era apenas vaidade
Que no meio de tantas pessoas
sempre estávamos sozinhos
E que quantidade e qualidade
nem sempre são parceiras nessa vida
Aprendemos a ser mais humildes
passamos a desejar coisas mais simples
ganhamos a capacidade de saber
a hora certa de chorar
e o momento exato de ceder
aprendemos a amar
aprendemos a viver.

Wilian Jañez

segunda-feira, 2 de março de 2009

Procura da Poesia


Não faças versos sobre acontecimentos.
Não há criação nem morte perante a poesia.
Diante dela, a vida é um sol estático,
não aquece nem ilumina.
As afinidades, os aniversários, os incidentes
pessoais não contam.
Não faças versos com o corpo,
esse excelente, completo e confortável corpo, tão
infenso à efusão lírica.

Tua gota de bile, tua careta de gozo ou dor no
escuro
são indiferentes.
Não me reveles teus sentimentos,
que se prevalecem de equívoco e tentam a longa
viagem.
O que pensas e sentes, isso ainda não é poesia.

Não cantes tua cidade, deixa-a em paz.
O canto não é o movimento das máquinas nem o segredo
das casas.
Não é música ouvida de passagem, rumor do mar nas
ruas junto à linha de espuma.
O canto não é a natureza
nem os homens em sociedade.
Para ele, chuva e noite, fadiga e esperança nada
significam.
A poesia (não tires poesia das coisas)
elide sujeito e objeto.

Não dramatizes, não invoques,
não indagues. Não percas tempo em mentir.
Não te aborreças.
Teu iate de marfim, teu sapato de diamante,
vossas mazurcas e abusões, vossos esqueletos de
família
desaparecem na curva do tempo, é algo imprestável.

Não recomponhas
tua sepultada e merencória infância.
Não osciles entre o espelho e a
memória em dissipação.
Que se dissipou, não era poesia.
Que se partiu, cristal não era.

Penetra surdamente no reino das palavras.
Lá estão os poemas que esperam ser escritos.
Estão paralisados, mas não há desespero,
há calma e frescura na superfície intacta.
Ei-los sós e mudos, em estado de dicionário.
Convive com teus poemas, antes de escrevê-los.
Tem paciência, se obscuros. Calma, se te provocam.
Espera que cada um se realize e consume
com seu poder de palavra
e seu poder de silêncio.

Não forces o poema a desprender-se do limbo.
Não colhas no chão o poema que se perdeu.
Não adules o poema. Aceita-o
como ele aceitará sua forma definitiva e concentrada
no espaço.

Chega mais perto e contempla as palavras.
Cada uma
tem mil faces secretas sob a face neutra
e te pergunta, sem interesse pela resposta,
pobre ou terrível que lhe deres:
Trouxeste a chave?

Repara:
ermas de melodia e conceito
elas se refugiaram na noite, as palavras.
Ainda úmidas e impregnadas de sono,
rolam num rio difícil e se transformam em desprezo.

Carlos Drummond de Andrade

Paz

"Domine seu ódio e terás o mundo,
domine seu amor e terás o mundo em paz"


Wilian Jañez

Sem amor

Sem amor, não temos porque acordar
muito menos sentimos vontade de dormir
sem amor, não existe razão para chorar
e não encontramos motivos para sorrir
sem amor, não há explicação para raiva
nem motivação para crise de risada
sem amor, não temos porque partir
e muito menos razão para voltar
sem amor, não faz sentido fugir da chuva
muito menos se secar ao sol
sem amor, não existe amanhã
e o passado perde o valor
sem amor, a saudade não tem importância
nem mesmo se aumentarmos a distância
sem amor, não somos homem nem mulher
sem amor, não somos bicho nem gente
sem amor, nos perdemos de repente
sem amor não nascemos
sem amor não vivemos
e sem amor nem se quer morremos.

Wilian Jañez

domingo, 1 de março de 2009

Tô Voltando


Pode ir armando o coreto
E preparando aquele feijão preto
Eu tô voltando

Põe meia dúzia de Brahma pra gelar,
Muda a roupa de cama
Eu tô voltando

Leva o chinelo pra sala de jantar...
Que é lá mesmo que a mala eu vou largar
Quero te abraçar, pode se perfumar porque
Eu tô voltando

Dá uma geral,
Faz um bom defumador,
Enche a casa de flor
Que eu tô voltando

Pega uma praia, aproveita, ta calor,
Vai pegando uma cor
Que eu tô voltando

Faz um cabelo bonito pra eu notar
Que eu só quero mesmo é despentear

Quero te agarrar...
Pode se preparar porque eu to voltando

Põe pra tocar na vitrola aquele som,
Estréia uma camisola
Eu tô voltando

Dá folga pra empregada,
Manda a criançada pra casa da avó
Que eu tô voltando

Diz que eu só volto amanhã se alguém chamar
Telefone não deixa nem tocar...
Quero lá.. lá.. lá.. ia.....
Porque eu tô voltando!

Paulo César Pinheiro & Maurício Tapajós