sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Frases

Me amem menos e me desejem mais.

Eu não brigo com ninguém, são os outros que brigam comigo...
Eu apenas me divirto.

Wilian Jañez


quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

O Prazer é Silencioso

Ao contrário da ideia assente
A palavra não é criadora de um mundo;
O homem fala como o cão ladra
Para exprimir raiva, ou medo.

O prazer é silencioso,
Tal como o é o estado de felicidade.

Michel Houellebecq, em "A Possibilidade de uma Ilha"

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Como dizia o Poeta

Quem já passou por essa vida e não viveu,
Pode ser mais mas sabe menos do que eu.
Porque a vida só se dá pra quem se deu,
Pra quem amou, pra quem chorou, pra quem sofreu.

Quem nunca curtiu uma paixão
Nunca vai ter nada, não.

Não há mal pior do que a descrença,
Mesmo o amor que não compensa
É melhor que a solidão.

Abre os teus braços, meu irmão, deixa cair.
Pra que somar se a gente pode dividir.
Eu francamente já não quero nem saber
De quem não vai porque tem medo de sofrer.

Ai de quem não rasga o coração,
Esse não vai ter perdão.
Quem nunca curtiu uma paixão,
Nunca vai ter nada, não.

Toquinho

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

A Menina Dos Meus Olhos

A menina dos meus olhos tem no rosto uma romã
E um sorriso que deságua no meu céu toda manhã
Tem o fogo das serpentes e a pureza do cristal
e a forma que o desejo só acha no carnaval

A menina dos meus olhos tem a cor de azul não sei
a mistura do que vi e o não acreditei
faz inveza a natureza quando se banha na Lua
Alegra minha vaidade quando me diz "Eu sou tua"

A menina dos meus olhos que eu namoro todo dia
Me redime dos pecados que a lida propicia
de não se o que pareço mas se fosse não seria
Esse tanto pelo avesso que melhor não poderia

Alceu Valença

Os Poetas

Nunca os vistes
Sentados nos cafés que há na cidade,
Um livro aberto sobre a mesa e tristes,
Incógnitos, sem oiro e sem idade?

Com magros dedos, coroando a fronte,
Sugerem o nostálgico sentido
De quem rasgasse um pouco de horizonte
Proibido...

Fingem de reis da Terra e do Oceano
(E filhos são legítimos do vício!)
Tudo o que neles nos pareça humano
É fogo de artifício.

Por vezes, fecham-lhes as portas
— Ódio que a nada se resume —
Voltam, depois, a horas mortas,
Sem um queixume.

E mostram sempre novos laivos
De poesia em seu olhar...

Adolescentes! Afastai-vos
Quando algum deles vos fitar!

Pedro Homem de Mello, em "O Rapaz da Camisola Verde"

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Doutor



  Em 1983 perguntaram ao Sócrates como ele gostaria de morrer, respondeu Quero morrer em um Domingo e com o Corinthians Campeão, e assim foi.

Corinthians Penta Campeão Brasileiro

Descanse em paz Doutor!

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Ainda que mal

Ainda que mal pergunte,
ainda que mal respondas;
ainda que mal te entenda,
ainda que mal repitas;
ainda que mal insista,
ainda que mal desculpes;
ainda que mal me exprima,
ainda que mal me julgues;
ainda que mal me mostre,
ainda que mal me vejas;
ainda que mal te encare,
ainda que mal te furtes;
ainda que mal te siga,
ainda que mal te voltes;
ainda que mal te ame,
ainda que mal o saibas;
ainda que mal te agarre,
ainda que mal te mates;
ainda assim te pergunto
e me queimando em teu seio,
me salvo e me dano: amor.

Carlos Drummond de Andrade

domingo, 27 de novembro de 2011

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Letra de doer

  Como sou adorador da poesia, acabo o tempo todo prestando atenção na letra das músicas que ouço e as vezes é de doer.

  Hoje, por exemplo, estava vindo pro trabalho procurando alguma música de estação em estação quando me deparo com uma música de Chitãozinho & Xororó foi inevitável não prestar atenção na letra, na verdade levei um tempo para entender que aquilo não era brincadeira, de fato era uma música de trabalho da drupa. Que letra ruim... segue...

Se for pra fazer a guerra
que seja de travesseiroSe for pra ter solidão
que seja no chuveiro (flap flap flap)
Se for pra perder
que seja o medo
Se for pra mentir
que seja a idade

Se for pra matar
que seja a saudade
Se for pra ser feliz
que seja o tempo todo
Se for pra morrer
que seja de amor
Se for pra tirar de alguém
que seja a sua dor
Se for pra ir embora
que seja a tristeza
Se for pra ferir
que seja sem querer
Se for pra viver
que seja pra ficar pra sempre com você
(...)

  Chega! Não é necessário colocar a letra inteira, um trecho basta pra vocês terem noção do que falo. Nada contra os caras, ao contrário, já gravaram tantas músicas bonitas com muita poesia deveriam se limitar a não gravar uma letra dessas... A música sertaneja não merece... Mas enfim.

  Seguindo a linha de letras tão ruins que acabamos ouvindo por não acreditar que realmente aquilo existe, segue uma da Claudia Leita, mãe de Deus, essa sim é pra terminar de foder arrebentar com tudo... lá vai!

Preto se você me der amor,
Tudo de mim você terá
Preto, se você pisar na bola,
Boto outro em seu lugar

Porque o carro é meu
O celular é meu
O silicone é meu
Não foi você quem deu

Tô cheia do vazio
Do que me prometeu
Quem Manda Em Mim Sou Eu


  Careleo!!! Seus filhos estão ouvindo isso! Que valores são esses? heuheuheu é meu... é meu... é meu... Se eu fosse o Preto mandava enfiar tudo que é dela no rabo ela me esquecer e iria viver minha vida...

  Sem mais... Tenho CERTEZA que logo vou trazer outras letrar pra vocês... a coisa esta feia!

[]´s

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Novembro

Cada instante que passa
jamais tornará a acontecer
da mesma forma são os versos
todo verso que eu deixo passar
não vai acontecer novamente
e a vida vai mudar
amanhã estarei mais maduro
com outro pensamento
e não vou concordar com aquele verso
que era essencial pra aquele momento da vida

Tem vezes que a vida fica corrida
e me vejo ocupado
nessas horas noto como a poesia faz falta
percebo quando a vida realmente
ficou muito ocupada
nos momentos em que
nem sou capaz de perceber
a falta que a poesia faz
a inspiração não vem,
pois não tem chances de chegar perto,
de me tocar, e tudo fica tão frio
apenas com a poesia
as coisas aquecem de verdade
só com ela, de fato,
a vida merece ser vivida

E é claro que nesse momento a vida não é feliz
a vida fica pobre, apagada
porém quando me perguntam se estou feliz
respondo que sim, óbvio!
Pois a felicidade é uma obrigação
é feio dizer que não somos felizes
mas se alguém precisa perguntar
se você é feliz a resposta já foi dada
pois se a felicidade existisse em você estaria nítida
e a pergunta não seria necessária.

Wilian Jañez

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Você continuará me amando amanhã?


Essa noite você é meu completamente
Você dá seu amor tão doce
Essa noite a luz do amor está nos seus olhos
Mas você continuará me amando amanhã?

Isso é um tesouro duradouro
Ou apenas um prazer do momento?
Posso acreditar na mágica dos seus suspiros?
Você continuará me amando amanhã?

Essa noite com palavras não ditas
Você diz que eu sou a única
Mas meu coração será partido
Quando a noite encontrar o sol da manhã?

Eu quero saber que o seu amor
É um amor do qual eu posso ter certeza
Então me diga agora, eu não vou perguntar de novo
Você continuará me amando amanhã?
Então me diga agora, eu não vou perguntar de novo
Você continuará me amando amanhã?
Você continuará me amando amanhã?

The Shirelles

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Confissão

Não amei bastante meu semelhante,
não catei o verme nem curei a sarna.
Só proferi algumas palavras,
melodiosas, tarde, ao voltar da festa.

Dei sem dar e beijei sem beijo.
(Cego é talvez quem esconde os olhos
embaixo do catre.) E na meia-luz
tesouros fanam-se, os mais excelentes.

Do que restou, como compor um homem
e tudo que ele implica de suave,
de concordâncias vegetais, murmúrios
de riso, entrega, amor e piedade?

Não amei bastante sequer a mim mesmo,
contudo próximo. Não amei ninguém.
Salvo aquele pássaro – vinha azul e doido –
que se esfacelou na asa do avião.

Carlos Drummond de Andrade

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Soneto do Vinho

Em que reino, em que século, sob que silenciosa
Conjunção dos astros, em que dia secreto
Que o mármore não salvou, surgiu a valorosa
E singular idéia de inventar a alegria?

Com outonos de ouro a inventaram.
O vinho flui rubro ao longo das gerações
Como o rio do tempo e no árduo caminho
Nos invada sua música, seu fogo e seus leões.

Na noite do júbilo ou na jornada adversa
Exalta a alegria ou mitiga o espanto
E a exaltação nova que este dia lhe canto

Outrora a cantaram o árabe e o persa.
Vinho, ensina-me a arte de ver minha própria história
Como se esta já fora cinza na memória.

Jorge Luis Borges

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Vinho

Deixa minha língua navegar
no complexo vinho da tua saliva.

Deixa-me tornar embriaguez
o que seria apenas beijo.

Deixa que eu toque
com as franjas do meu corpo
a tua alma profunda
(segregada e manifesta em teus humores).

Deixa que eu a perceba
como a uma sereia de certezas
(içada de um imenso mar de dúvidas).

Luís Bogo

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

O tempo

O tempo é o maior tesouro que o homem pode dispor.
Embora inconsumível, o tempo é o nosso melhor alimento.
Sem medida que o conheça, o tempo é contudo nosso bem de maior grandeza,
não tem começo, não tem fim.
Rico não é o homem que coleciona e se pesa num amontoado de moedas,
nem aquele devasso que estende a mão e braços em terras largas.
Rico só é o homem que aprendeu piedoso e humilde a conviver com o tempo,
aproximando-se dele com ternura, não se rebelando contra o seu curso,
brindando antes com sabedoria para receber os favores e não sua ira.
O equilíbrio da vida está essencialmente nesse bem supremo,
e quem souber com acerto a quantidade de vagar ou de espera que deve pôr nas coisas,
não corre nunca o risco, ao buscar por elas, de defrontar-se com o que não é.
Pois só a justa medida do tempo dá a justa natureza das coisas.

Raduan Nassar


sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Luva de Pelica

Sou um alvo fácil para os meus inimigos
Assino poeta, não só quando escrevo, mas quando vivo
escrevo coisas no papel que na boca viram guizo
olhos fracos e na boca sempre um sorriso.

Sou um alvo fácil para meus inimigos
moleque do vento de coração atrevido
ando nas ruas como se fossem de vidro
chego no inferno feito anjo sem juízo.

Sou um alvo fácil para meus inimigos
de manhã acordo num céu sem abrigo
carente de abraços e punhos imprecisos
trilho sem saber odiar, o amor improviso.

Sou um alvo fácil para meus inimigos
mesmo com uma tristeza que não manda aviso
estou sempre nu vestido com cara de paraíso,
só que a linha do rosto tem cerol com mármore moído.

Sou um alvo fácil para meus inimigos
tenho asas nas pernas e raíz no umbigo
braços largos e um peito cheio de amor indeciso
faço tudo errado e não sei onde piso.

Sou um alvo fácil para meus inimigos
não sei para onde vou e pareço preciso
se multiplico não somo, somos, eu diviso
quando sua lama afunda, me chama, eu deslizo.

Sou um alvo fácil para meus inimigos
invejo a vida não quem vive o vivido
na cara dura passo dias duros e saio liso
porque sou burro, se não quero, empaco, persigo.


Sou um alvo fácil para meus inimigos
hemorrágico sangue bom A negoativo
verborrágico sutil sem os dentes do siso
não engulo sapos apesar do queixo de vidro.

Sou um alvo fácil para meus inimigos
o novo bate, sou fóssil, mas não me esquivo
dócil tenho medo da chuva não do perigo
se cospem raios, no ócio, tomo suco de granizo.

Sou um alvo fácil para meus inimigos
quando a traição é posto na mesa, regurgito e mastigo
e ainda que desenterre sua alma para o meu cavar meu jazigo
ando leve feito pluma no chumbo em que vivo.

Sou um alvo fácil para meus inimigos
se não me acertam, na certa te digo:
ando livre e o mundo é meu abrigo
presos a mim, se arrastam, me seguir é quase um castigo.

Sérgio Vaz


Faltou poesia

Menina mata os pais
e homem morre em briga de trânsito,
faltou poesia

Mãe abandona recém nascido
e negro, nordestino, gay apanha,
faltou poesia

Pai abusa de filho
e atirador mata mais de trinta,
faltou poesia

Criança morre em assalto
e idoso é atingido por bala perdida,
faltou poesia

Perdoe esse poema triste
é que hoje faltou poesia.

Wilian Jañez

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Felicidade

As coisas não nasceram para dar certo, somos nós é que fazemos as coisas acontecerem, ou não.
Acredito que a gente tem que ter um foco a seguir, traçar metas, viver por elas. Ou morrer tentando. Jamais queimar etapas e saber reconhecer quando é a sua hora.

O Acaso é uma grande armadilha e destrói os sonhos fracos de pessoas que se acham fortes.
Não passar do tempo e nem chegar antes. Preparar o corpo, o espírito, estudar o tempo o espaço. Não ser escravo de nenhum dos dois.
Observar as coisas que interferem no seu dia e na sua noite. E saber entender que há aqueles sem sol e sem estrelas e que a vida não deve parar só por isso..
Ser gentil com as pessoas e consigo mesmo. E gentileza não tem nada a ver com fraqueza, pois, assim como um bom espadachim, é preciso ter elegância para ferir seus adversários.
O que adintanta uma boca grande e um coração pequeno? Nunca diga que faz, se não o faz.

Ame o teu ofício como uma religião, respeite suas convicções e as pratique de verdade, mesmo quando não tiver ninguém olhando. Milagres acontecem quando a gente vai à luta.
Pratique esportes como arremesso de olhar, beijo na boca, poema no ouvido dos outros, andar de mãos dadas com a pessoa amada, respirar o espaço alheio, abraçar sonhos impossíveis e elogios à distância. E em hipótese alguma, tente chegar em primeiro. Chegar junto é melhor, até porque, o universo não distribui medalhas nem troféus.
Respeite as crianças, todas, inclusive aquela esquecida na sua memória. Sem crianças não há razão nenhuma para se acreditar num mundo melhor.
As crianças não são o futuro, elas são o presente, e se ainda não aprendemos com isso, somos nós, os adultos, é que tiramos zero na escola.
Ser feliz não quer dizer que não devemos estar revoltados com as coisas injustas que estão ao nosso redor, muito pelo contrário, ter uma causa verdadeira é uma alegria que poucos podem ter.

Por isso, sorrir enquanto luta, é uma forma de confundir os inimigos. Principalmente os que habitam nossos corações. E jamais se sujeite a ser carcereiro do sorriso alheio.
Não deixe que outras pessoas digam o que você deve ter, ou usar. Ter coisas é tão importante como não tê-las, mas é você quem deve decidir. Ter cartão de crédito é bom, porém, ter crédito nele tem um preço.

Se possível, aprecie as coisas simples da vida, vai que no futuro... Adeus pertences.

Esteja sempre disposto ao aprendizado, e não se esqueça que, quem já sabe tudo é porque não aprendeu nada.
As ruas são excelentes professoras de filosofia, pratique andar sobre elas.
Procure desvendar as máscaras do dia a dia, pois o segredo está no minúsculo - assim como um belo espetáculo do crepúsculo-, no pequeno gesto das formiguinhas esconde a grandeza a ser seguida pela humanidade.
Tenha amigos. Se não tem, seja. Eles virão.

Felicidade não se ensina, é uma magia, e o segredo está na disciplina de uma vida sem truques e sem fogos de artifícios.
E não acreditem em poetas. São pessoas tristes que vendem alegria.

Sérgio Vaz

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Mundo grande

Não, meu coração não é maior que o mundo.
É muito menor.
Nele não cabem nem as minhas dores.
Por isso gosto tanto de me contar.
Por isso me dispo,
por isso me grito,
por isso freqüento os jornais, me exponho cruamente nas livrarias:
preciso de todos.

Sim, meu coração é muito pequeno.
Só agora vejo que nele não cabem os homens.
Os homens estão cá fora, estão na rua.
A rua é enorme. Maior, muito maior do que eu esperava.
Mas também a rua não cabe todos os homens.
A rua é menor que o mundo.
O mundo é grande.

Tu sabes como é grande o mundo.
Conheces os navios que levam petróleo e livros, carne e algodão.
Viste as diferentes cores dos homens,
as diferentes dores dos homens,
sabes como é difícil sofrer tudo isso, amontoar tudo isso
num só peito de homem... sem que ele estale.

Fecha os olhos e esquece.
Escuta a água nos vidros,
tão calma, não anuncia nada.
Entretanto escorre nas mãos,
tão calma! Vai inundando tudo...
Renascerão as cidades submersas?
Os homens submersos – voltarão?

Meu coração não sabe.
Estúpido, ridículo e frágil é meu coração.
Só agora descubro
como é triste ignorar certas coisas.
(Na solidão de indivíduo
desaprendi a linguagem
com que homens se comunicam.)

Outrora escutei os anjos,
as sonatas, os poemas, as confissões patéticas.
Nunca escutei voz de gente.
Em verdade sou muito pobre.

Outrora viajei
países imaginários, fáceis de habitar,
ilhas sem problemas, não obstante exaustivas e convocando ao suicídio.

Meus amigos foram às ilhas.
Ilhas perdem o homem.
Entretanto alguns se salvaram e
trouxeram a notícia
de que o mundo, o grande mundo está crescendo todos os dias,
entre o fogo e o amor.

Então, meu coração também pode crescer.
Entre o amor e o fogo,
entre a vida e o fogo,
meu coração cresce dez metros e explode.
– Ó vida futura! Nós te criaremos.

Carlos Drummond de Andrade

terça-feira, 16 de agosto de 2011

José Américo de Almeida - Citações

Há muitas formas de dizer a verdade.
Talvez a mais persuasiva seja a que tem a aparência de mentira.

Se escapar alguma exaltação sentimental, é a tragédia da própria realidade.
A paixão só é romântica quando é falsa.

O naturalismo foi uma bisbilhotice de trapeiros.
Ver bem não é ver tudo: é ver o que os outros não vêem.

A alma semibárbara só é alma pela violência dos instintos.
Interpretá-la com uma sobriedade artificial seria tirar-lhe a alma.

Há uma miséria maior do que morrer de fome no deserto:
é não ter o que comer na terra de Canaã.

É um livro triste que procura a alegria.
A tristeza do povo brasileiro é uma licença poética ...

Os grandes abalos morais são como as bexigas:
se não matam, imunizam. Mas deixam a marca ostensiva.

O regionalismo é o pé-do-fogo da literatura... Mas a dor é universal,
porque é uma expressão de humanidade.
E nossa ficção incipiente não pode competir com os temas
cultivados por uma inteligência mais requintada:
só interessará por suas revelações, pela originalidade de seus aspectos despercebidos.

O amor aqui é um tudo-nada de concessão lírica ao clima e à raça.
É um problema de moralidade com o preconceito da vingança privada.

Um romance brasileiro sem paisagem seria como Eva expulsa do paraíso.
O ponto é suprimir os lugares-comuns da natureza.

A língua nacional tem rr e ss finais... Deve ser utilizada sem os plebeísmos
que lhe afeiam a formação. Brasileirismo não é corruptela nem solecismo.
A plebe fala errado; mas escrever é disciplinar e construir ...

Valem as reticências e as intenções.

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Festa de luz

Nela existe os cabelos
que por ter a cor de um raio de sol
deixa pelo caminho que passa
um rastro de luz
Tem os olhos vivos e claros
que refletem o brilho
dos cabelos que quando soltos
se espalham pelos ombros
e repousam nas costas
Como se não fosse o bastante
ela também tem o sorriso largo e forte
que, assim como os cabelos de raio de sol
e os olhos vivos, possui sua própria luz

Quando ela, de cabelos soltos
e olhos abertos, arma seu sorriso para mim
é como presenciar uma festa de luz
Não dá para entender como
uma criatura que não é estrela
e não mora no céu
pode brilhar tanto em meu dia

E quando distante de toda luz
que ela mostra, fico fascinado
e ansioso desejando que logo
possa vê-la brilhar mais uma vez.

Wilian Jañez

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Milho aos pombos

Enquanto esses comandantes loucos ficam por aí
queimando pestanas organizando suas batalhas
Os guerrilheiros nas alcovas preparando na surdina suas mortalhas
A cada conflito mais escombros

Isso tudo acontecendo e eu aqui na praça
dando milho aos pombos

Entra ano, sai ano, cada vez fica mais difícil
o pão, o arroz, o feijão, o aluguel
Uma nova corrida do ouro
o homem comprando da sociedade o seu papel
Quando mais alto o cargo maior o rombo

Isso tudo acontecendo e eu aqui na praça
dando milho aos pombos

Eu dando milho aos pombos no frio desse chão
Eu sei tanto quanto eles se bater asas mais alto
voam como gavião
Tiro ao homem tiro ao pombo
Quanto mais alto voam maior o tombo

Eu já nem sei o que mata mais
Se o trânsito, a fome ou a guerra
Se chega alguém querendo consertar
vem logo a ordem de cima
Pega esse idiota e enterra
Todo mundo querendo descobrir seu ovo de Colombo

Zé Geraldo

Vem sentar-te comigo, Lídia

Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio.
Sossegadamente fitemos o seu curso e aprendamos
Que a vida passa, e não estamos de mãos enlaçadas.
(Enlacemos as mãos.)
Depois pensemos, crianças adultas, que a vida
Passa e não fica, nada deixa e nunca regressa,
Vai para um mar muito longe, para o pé do Fado,
Mais longe que os deuses.

Desenlacemos as mãos, porque não vale a pena cansarmo-nos.
Quer gozemos, quer não gozemos, passamos como o rio.
Mais vale saber passar silenciosamente
E sem desassossegos grandes.

Sem amores, nem ódios, nem paixões que levantam a voz,
Nem invejas que dão movimento de mais aos olhos,
Nem cuidados, porque se os tivesse o rio sempre correria,
E sempre iria ter ao mar.

Amemo-nos tranquilamente, pensando que podíamos,
Se quiséssemos, trocar beijos e abraços e carícias,
Mas que mais vale estarmos sentados ao pé um do outro
Ouvindo correr o rio e vendo-o.

Colhamos flores, pega tu nelas e deixa-as
No colo, e que o seu perfume suavize o momento –
Este momento em que sossegadamente não cremos em nada
Pagãos inocentes da decadência.

Ao menos, se for sombra antes, lembrar-te-ás de mim depois
Sem que a minha lembrança te arda ou te fira ou te mova,
Porque nunca enlaçamos as mãos, nem nos beijamos
Nem fomos mais do que crianças.

E se antes do que eu levares o óbolo ao barqueiro sombrio,
Eu nada terei que sofrer ao lembrar-me de ti.
Ser-me-ás suave à memória lembrando-te assim – à beira-rio,
Pagã triste e com flores no regaço.

Fernando Pessoa

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Quero

Quero que todos os dias do ano
todos os dias da vida
de meia em meia hora
de 5 em 5 minutos
me digas: Eu te amo.

Ouvindo-te dizer: Eu te amo,
creio, no momento, que sou amado.
No momento anterior
e no seguinte,
como sabê-lo?

Quero que me repitas até a exaustão
que me amas que me amas que me amas.
Do contrário evapora-se a amação
pois ao não dizer: Eu te amo,
desmentes
apagas
teu amor por mim.

Exijo de ti o perene comunicado.
Não exijo senão isto,
isto sempre, isto cada vez mais.
Quero ser amado por e em tua palavra
nem sei de outra maneira a não ser esta
de reconhecer o dom amoroso,
a perfeita maneira de saber-se amado:
amor na raiz da palavra
e na sua emissão,
amor
saltando da língua nacional,
amor
feito som
vibração espacial.

No momento em que não me dizes:
Eu te amo,
inexoravelmente sei
que deixaste de amar-me,
que nunca me amastes antes.

Se não me disseres urgente repetido
Eu te amoamoamoamoamo,
verdade fulminante que acabas de desentranhar,
eu me precipito no caos,
essa coleção de objetos de não-amor.

Carlos Drummond de Andrade

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Consolo na praia

Vamos, não chores.
A infância está perdida.
A mocidade está perdida.
Mas a vida não se perdeu.

O primeiro amor passou.
O segundo amor passou.
O terceiro amor passou.
Mas o coração continua.

Perdeste o melhor amigo.
Não tentaste qualquer viagem.
Não possuis carro, navio, terra.
Mas tens um cão.

Algumas palavras duras,
em voz mansa, te golpearam.
Nunca, nunca cicatrizam.
Mas, e o humour?

A injustiça não se resolve.
À sombra do mundo errado
murmuraste um protesto tímido.
Mas virão outros.

Tudo somado, devias
precipitar-te, de vez, nas águas.
Estás nu na areia, no vento...
Dorme, meu filho.

Carlos Drummond de Andrade

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Retrato

Eu não tinha este rosto de hoje,
assim calmo, assim triste, assim magro,
nem estes olhos tão vazios,
nem o lábio amargo.

Eu não tinha estas mãos sem força,
tão paradas e frias e mortas;
eu não tinha este coração
que nem se mostra.

Eu não dei por esta mudança,
tão simples, tão certa, tão fácil:
- Em que espelho ficou perdida
a minha face?

Cecilia Meireles


segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Grandes são os deserto

Grandes são os desertos, e tudo é deserto.
Não são algumas toneladas de pedras ou tijolos ao alto
Que disfarçam o solo, o tal solo que é tudo.
Grandes são os desertos e as almas desertas e grandes
Desertas porque não passa por elas senão elas mesmas,
Grandes porque de ali se vê tudo, e tudo morreu.
Grandes são os desertos, minha alma!
Grandes são os desertos.
Não tirei bilhete para a vida,
Errei a porta do sentimento,
Não houve vontade ou ocasião que eu não perdesse.
Hoje não me resta, em vésperas de viagem,
Com a mala aberta esperando a arrumação adiada,
Sentado na cadeira em companhia com as camisas que não cabem,
Hoje não me resta (à parte o incômodo de estar assim sentado)
Senão saber isto:
Grandes são os desertos, e tudo é deserto.
Grande é a vida, e não vale a pena haver vida,
Arrumo melhor a mala com os olhos de pensar em arrumar
Que com arrumação das mãos factícias (e creio que digo bem)
Acendo o cigarro para adiar a viagem,
Para adiar todas as viagens.
Para adiar o universo inteiro.
Volta amanhã, realidade!
Basta por hoje, gentes!
Adia-te, presente absoluto!
Mais vale não ser que ser assim.
Comprem chocolates à criança a quem sucedi por erro,
E tirem a tabuleta porque amanhã é infinito.
Mas tenho que arrumar mala,
Tenho por força que arrumar a mala,
A mala.
Não posso levar as camisas na hipótese e a mala na razão.
Sim, toda a vida tenho tido que arrumar a mala.
Mas também, toda a vida, tenho ficado sentado sobre o canto das camisas empilhadas,
A ruminar, como um boi que não chegou a Ápis, destino.
Tenho que arrumar a mala de ser.
Tenho que existir a arrumar malas.
A cinza do cigarro cai sobre a camisa de cima do monte.
Olho para o lado, verifico que estou a dormir.
Sei só que tenho que arrumar a mala,
E que os desertos são grandes e tudo é deserto,
E qualquer parábola a respeito disto, mas dessa é que já me esqueci.
Ergo-me de repente todos os Césares.
Vou definitivamente arrumar a mala.
Arre, hei de arrumá-la e fechá-la;
Hei de vê-la levar de aqui,
Hei de existir independentemente dela.
Grandes são os desertos e tudo é deserto,
Salvo erro, naturalmente.
Pobre da alma humana com oásis só no deserto ao lado!
Mais vale arrumar a mala.

Fernando Pessoa

sexta-feira, 29 de julho de 2011

Canto Íntimo

Meu amor, em sonhos erra,
Muito longe, altivo e ufano
Do barulho do oceano
E do gemido da terra!

O Sol está moribundo.
Um grande recolhimento
Preside neste momento
Todas as forças do Mundo.

De lá, dos grandes espaços,
Onde há sonhos inefáveis
Vejo os vermes miseráveis
Que hão de comer os meus braços.

Ah! Se me ouvisses falando!
(E eu sei que ás dores resistes)
Dir-te-ia coisas tão tristes
Que acabarias chorando.

Que mal o amor me tem feito!
Duvidas?! Pois, se duvidas,
Vem cá, olha estas feridas,
Que o amor abriu no meu peito.

Passo longos dias, a esmo.
Não me queixo mais da sorte
Nem tenho medo da Morte
Que eu tenho a Morte em mim mesmo!

"Meu amor, em sonhos, erra,
Muito longe, altivo e ufano
Do barulho do oceano
E do gemido da terra!"

Augusto dos Anjos

quarta-feira, 27 de julho de 2011

Ode a fé

A ausência da fé
é a fraqueza de todo homem
O homem ausente de fé
perde sua alma
e se mostra capacitado
a exercer o que há de pior em si
Sem fé o homem
se resume a um saco de ossos,
porém ciente da sua fé
esse mesmo homem
se torna capacitado
a alcançar tudo o que quiser,
pois a fé não considera o impossível
A fé não é a arma do homem bom,
pois um homem bom
não vive em guerra
Para o homem bom
a fé é sua essência
e toda vez que o homem bom
cair diante da maldade
ao praticar sua fé
ele mostra aos demais
que apenas um bom
basta para superar todo o mal.

Wilian Jañez

terça-feira, 26 de julho de 2011

Feliz Só Será

Feliz só será
A alma que amar.

'Star alegre
E triste,
Perder-se a pensar,
Desejar
E recear
Suspensa em penar,
Saltar de prazer,
De aflição morrer —
Feliz só será
A alma que amar.

Goethe

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Ir, ir e ir

Quero ver onde essa
América se desmorena
E se constrói
Onde se diz negra
Onde se desmestiça
E se desmistifica
Onde se andina
E se desanda
Quero ver
Onde o samba é Gardel
Onde o tango é Noel
Onde a fala é o silêncio dos pampas
A Cordilheira, a Mantiqueira
Onde o ferro é o cobre
Onde Itabira é Temuco
Onde Neruda é Drummond
Onde o guarani é oficial
Onde o Morumbi és La Bombonera
Onde o Chile é Allende
Onde nenhum salvador é Pinochet
Quero ver quero ver
Onde o Paraguai venceu
Onde Afonsina se entregou
Onde o Brasil se argentina mais
Onde o Uruguai é mais Galeano
E onde eu sou mais ou menos brasileiro
Quero ver quero ver

Binho
do livro DONDE MIRAS - Dois Poetas e um Caminho

Nós Somos da Mesma Aldeia

Todo brasileiro é índio
índio já foram milhões
este Brasil mestiço
é a soma de muitas Nações
e cada dia que nasce
nasce uma nova Nação
os meus traços na face
as mesmas linhas na mão
sem bordunas
sem tacapes
só o som dos atabaques
e a roda de se dançar
sem flechas
sem canhões
só o som dos corações
e a vontade de abraçar
sem feitor
sem capataz
só o som dos maracás
e o canto da lua cheia
sem medo
sem violência
só o som da consciência
nós somos da mesma Aldeia.

Eliakin Rufino

quarta-feira, 20 de julho de 2011

Jandira

O mundo começava nos seios de Jandira.

Depois surgiram outras peças da criação:
Surgiram os cabelos para cobrir o corpo,
(Às vezes o braço esquerdo desaparecia no caos.)
E surgiram os olhos para vigiar o resto do corpo.
E surgiram sereias da garganta de Jandira:
O ar inteirinho ficou rodeado de sons
Mais palpáveis do que pássaros.
E as antenas das mãos de Jandira
Captavam objetos animados, inanimados.
Dominavam a rosa, o peixe, a máquina.
E os mortos acordavam nos caminhos visíveis do ar
Quando Jandira penteava a cabeleira...

Depois o mundo desvendou-se completamente,
Foi-se levantando, armado de anúncios luminosos.
E Jandira apareceu inteiriça,
Da cabeça aos pés,
Todas as partes do mecanismo tinham importância.
E a moça apareceu com o cortejo do seu pai,
De sua mãe, de seus irmãos.
Eles é que obedeciam aos sinais de Jandira
Crescendo na vida em graça, beleza, violência.
Os namorados passavam, cheiravam os seios de Jandira
E eram precipitados nas delícias do inferno.
Eles jogavam por causa de Jandira,
Deixavam noivas, esposas, mães, irmãs
Por causa de Jandira.
E Jandira não tinha pedido coisa alguma.
E vieram retratos no jornal
E apareceram cadáveres boiando por causa de Jandira.
Certos namorados viviam e morriam
Por causa de um detalhe de Jandira.
Um deles suicidou-se por causa da boca de Jandira
Outro, por causa de uma pinta na face esquerda de Jandira.
E seus cabelos cresciam furiosamente com a força das máquinas;
Não caía nem um fio,
Nem ela os aparava.
E sua boca era um disco vermelho
Tal qual um sol mirim.
Em roda do cheiro de Jandira
A família andava tonta.
As visitas tropeçavam nas conversações
Por causa de Jandira.
E um padre na missa
Esqueceu de fazer o sinal-da-cruz por causa de Jandira.

E Jandira se casou
E seu corpo inaugurou uma vida nova.
Apareceram ritmos que estavam de reserva.
Combinações de movimento entre as ancas e os seios.
À sombra do seu corpo nasceram quatro meninas que repetem
As formas e os sestros de Jandira desde o princípio do tempo.

E o marido de Jandira
Morreu na epidemia de gripe espanhola.
E Jandira cobriu a sepultura com os cabelos dela.
Desde o terceiro dia o marido
Fez um grande esforço para ressuscitar:
Não se conforma, no quarto escuro onde está,
Que Jandira viva sozinha,
Que os seios, a cabeleira dela transtornem a cidade
E que ele fique ali à toa.

E as filhas de Jandira
Inda parecem mais velhas do que ela.
E Jandira não morre,
Espera que os clarins do juízo final
Venham chamar seu corpo,
Mas eles não vêm.
E mesmo que venham, o corpo de Jandira
Ressuscitará inda mais belo, mais ágil e transparente.

Murilo Mendes

terça-feira, 12 de julho de 2011

Vivendo com Alzheimer



"Na vida só não há jeito pra a morte,
para todo resto basta saber amar... "

Veja aqui!


terça-feira, 21 de junho de 2011

Poema


A poesia está guardada nas palavras - é tudo que eu sei.
Meu fado é o de não saber quase tudo.
Sobre o nada eu tenho profundidades.
Não tenho conexões com a realidade.
Poderoso para mim não é aquele que descobre ouro.
Para mim poderoso é aquele que descobre
as insignificâncias (do mundo e as nossas).
Por essa pequena sentença me elogiaram de imbecil.
Fiquei emocionado e chorei.
Sou fraco para elogios.

Manoel de Barros

quarta-feira, 8 de junho de 2011

Pra não voar

Se sou pássaro
é por que só do alto
posso te ver
longe do ar
você não existe
Quem sabe um dia
eu não seja ave
não tenha vida nos céus
pra sempre os pés no chão
e assim não terei você
Não volto!
Mas não deixo
de voar com o vento
pois só lá você existe.

Wilian Jañez

terça-feira, 7 de junho de 2011

O Peregrino



No caminho do crer e não crer
Vivo na dúvida do milagre
Entre as brumas da uva e do vinho
Sou eu quem destila o vinagre.
Caminho no chão em busca do céu
Num fogo e água que não tem fim
Porque
Não me esforço para acreditar em Deus
Esforço-me para que Deus acredite em mim.

Sérgio Vaz

terça-feira, 17 de maio de 2011

Como ser?

Como ser?

sem o abraço
   sem os cabelos
      sem o cheiro

sem a pele
   sem as mãos
      sem o toque

sem o riso
   sem a alegria
      sem o beijo

Como ser sem o amor?

Não ser...

terça-feira, 10 de maio de 2011

Sincero amor

Todo poeta também chora.
Por detrás de frases de impacto
e versos bem elaborados
existe alguém que também erra
que também sofre
que morre de raiva
que sangra de dor
e sofre de amor.

Todo poeta quer ser normal
ser comum como todos
e fazer como sempre fizeram
nascer,
crescer,
casar,
ver nascer os filhos,
mimar os netos
e morrer.

Sem mais complicações
sem impulsos artisticos descontrolados
sem raciocínios diferenciados
sem mentiras
sem desamor
sem trair
sem partir
sem fugir.

apenas ser comum
apenas ser mais um
viver apenas um eterno e sincero amor.

Wilian Janez 24/07/2008

Cuidado com os poetas


"Cuidado com os poetas. Esses caras são uns subversivos; propagam indignação e desordem. Se acham no direito de mudar o mundo. Cuidado!
Eles estão por toda parte: são bruxos e bruxas cujo ritual mais sagrado se chama Sarau. E atacam em grupo, uma super dosagem de palavras ritmadas que atingem seu espírito e modificam pra sempre. Qualquer pedaço de papel é uma arma na mão de um poeta, e se você ver algum deles escrevendo alguma coisa em um guardanapo de boteco, pelo amor de Deus eu insisto, não leia."


Rodrigo Moreira Campos
Homenagem ao Sarau do Binho

segunda-feira, 2 de maio de 2011

Mulheres

O que mais me atrai
nas mulheres que não conheço
é o exato fato de que para mim
estas são desconhecidas
Meu maior pecado nada mais é
do que a curiosidade
é ela que me traz
o desejo por elas
Cada mulher é diferente da outra
Cada uma delas tem algo
diferente pra contar,
pra mostrar,
pra me fazer sentir
Cada uma tem a sua maneira
em relação a vida
E assim desejo conhece-las,
decifra-las,
entende-las...
Saber como se portam,
como se movem,
conhecer a intensidade
dos seus gemidos
e cada som que seu corpo,
até então desconhecido para mim,
pratica
Descobrir com que
intensidade respiram
e como serram os olhos
no momento em que
lhe beijo o corpo,
lhe toco a pele
Descobrir como se entregam,
se demoram a ceder,
se gostam de ouvir,
de sentir,
se desejam ser amadas,
usadas,
consumidas
se, assim como eu,
desejam um pouco de tudo
ou se não desejam nada.


Wilian Jañez
11/04/2008

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Quando deixamos de ser bobos?


As vezes parece que pessoas adultas perdem a alegria, deixam de falar bobagem, coisas sem sentido, ficam sérias, riem apenas da bobeiras dos outros, dos mais novos, pois deixaram de ser bobos. Agora são adultos, pessoas sérias e ocupadas.

Eu não quero ser assim, é inevitável o aumento das responsabilidades, dos problemas, porem o segredo esta em assumir as responsabilidades, mas sem vive-las em tempo integral.

Não é por que casei, tenho filhos, sou responsável pela minha familia, preciso administrar meu emprego e todos os outros problemas que devo deixar de ser bobo. Viva os problemas e as responsabilidades, quando necessário, não sofra em vão, se não vai dar pra resolver hoje, pense nisso apenas amanhã, hoje seja bobo.

Jamais quero deixa de fazer sons estranhos quando dirijo, tentar imitar as vozes que ouço no rádio, fazer piada com as pessoas, gritar em vão apenas pra relaxar, fazer caretas, brincar como criança, quero ser o tio bobo que sempre conta a mesma piada, que sempre faz a mesma brincadeira, mas que faz falta quando não vemos seu sorriso bobo.

Por mais que as responsabilidades e os problemas aumentem, sempre a tempo para ser bobo.

Obs: A moça linda da foto é minha amada, idolatrada, inteligente, comportada, mimada, ... afilhada.

Mulher

Nada é mais forte que seus olhos,
tão lindos quando fechados,
dominam o mundo quando abertos.
Sua pele, morena de menina,
é relevo mais delicado que existe,
é cobiça para minhas mãos
que tanto te desejam tocar.
Seu rosto, beleza de mulher,
tão forte ao mesmo tempo tão pura,
encanta e escraviza o coração
de quem a desafia com o olhar
sua boca caminho para o paraíso
desejo de meus lábios
minha vontade de amar.

Wilian Jañez
12/11/2008

quarta-feira, 13 de abril de 2011

Antônio Machado


No mar da mulher, poucos naufragam de noite.
Muitos, ao amanhecer.

Sonhar

Se um dia o sonho acabar
tenho certeza que vou chorar
pois os planos, eram para que não acordássemos
e assim tudo seria pra sempre

E cada lágrima que eu derramar
será um pedaço de mim que partirá
e a idéia de dormir para voltar a sonhar
será uma ilusão

E quando me disse que não queria mais
todos os planos
desabaram sobre minha cabeça

O sonho havia acabado
sozinho e sem forças para levantar
eu chorei

E em cada lágrima eu vi um momento,
momentos de um sonho incompleto

Porém em meio a tanta tristeza
eu teria um consolo,
pois antes que a ultima lágrima partisse
poderia dizer a todos

Que um dia amei tanto
que fui capaz de sonhar.

Wilian Janez 05/04/2007

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Como quiser

... Se assim quiseres
faço de mim
dia, noite e madruga
tudo ao mesmo tempo
tudo no mesmo instante ...

Wilian Janez
09/04/2007

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Vem

Vem! Mas vem depressa,
porque esse moço já não sabe esperar.
Vem e traz contigo tua beleza,
traz pra mim tua paz e tua riqueza,
pra fazer meu peito acalmar.

Vem! Mas vem depressa,
porque esse moço já não pode esperar.
Vem e traz aberto teu riso,
traz pra mim tua alegria e teu sorriso,
pra fazer meu peito acalmar.

Vem! Mas vem depressa,
porque meu amor já não pode esperar.
Vem e traz teu amor e teu carinho,
pois sem você estou sozinho
e sozinho meu peito não pode ficar.

Wilian Jañez
05/05/2008

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Querer

Não me queira
como te quero
ou como querem
os que sabem amar
me queira como quiseres
pois do desejo de querer
nasce a razão de amar.

Wilian Jañez
04/09/2008

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Conte mais de você

Conte mais de você
seus sonhos
seus riscos
sobre seu dia
sobre seu tempo
seus amores, perdidos
seus medos, vencidos
gritos contidos.

Conte mais de você
seus medos
seus segredos
sobre sua noite
sobre sua vida
suas feridas, abertas
suas manias, secretas
paixões esquecidas.

Conte mais de Você
seus mitos
seus discos
sobre seu riso
sobre sua alegria
seus amigos, queridos
suas mentiras, concretas
vontades inibidas.

Conte mais de Você...

Wilian Janez 21/05/2008

Selo Blog Recomendadíssimo!


Recebi este Selo do amiga William Garibaldi do Blog Versos de Fogo!

Vou responder as perguntas que acompanham...

Nome: Wilian (Barba) Jañez
Uma música: Luiza - Tom Jobim
Humor: pela manha é uma bosta, mas depois vai bem...
Uma cor: Azul
Uma estação: Verão quando esta Inverno e Inverno quando esta Verão.
Como prefere viajar: De Chinelos
Um seriado: Simpsons
Frase ou palavra dita por você: Eita porra!
O que achou do selo: Sapeca!

Valew Will

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Quem é você? (Luz do Sol )

Quem é você?
que do nada surgiu
sem ao menos eu perceber,
roubou meu sorriso
e agora volta
como quem quer devolver.

Quem é você?
que em mim vê tudo belo
sem ao menos me conhecer,
quer estar em meu caminho,
mas não sabe como fazer.

Wilian Janez 28/04/2008

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Dia sem fim

Larga essa preguiça moça
põem-se de pé a se esticar,
que o dia vai ser longo
e esta prestes a começar

Abra essa janela
enrosque seus braços no meu pescoço,
que o dia vai ser lindo
e esta prestes a começar

Ajeite esse cabelo moça
põem-se linda a dançar,
que o dia vai ser seu
e esta prestes a começar

Senta ao meu lado
repouse sua cabeça no meu ombro,
que o dia vai ser nosso
e esta prestes a começar

Agarra essa preguiça moça
põem-se deitada a me amar
que o dia foi perfeito,
e logo irá recomeçar.

Wilian Jañez
01/04/2007

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Eita paisinho difícil

  Antes um breve resumo dos meus últimos meses de vida. Eu precisei fazer uma intervenção cirúrgica no tornozelo para corrigir um problema ósseo. Como sou registrado fiquei afastado pelo INSS. Essa cirurgia aconteceu no dia 1 de Dezembro de 2010. Ok!

 Acaba de chegar o calculo do meu benefício e adivinhem!!! Vou receber metade do que imaginava receber, isso por que na hora em que vou pagar os impostos sobre meu salário isso acontecer sobre o salário atual, porem quando preciso ficar afastado o benefício é calculado sobre o meu salário nos últimos 24 meses, já escrevi sobre isso e ressalto (Coisa que eu não entendo), definitivamente o governo não usa de lógica para criar as leis, por acaso, alguém aqui estipula quando vai gastar no mês de acordo com seu salário nos últimos 24 meses? Não!

  Como tenho apenas 10 meses trabalhados pelo regime CLT, pois antes atuava como PJ, nessa média de 24 meses 14 meses meu salário é 0, sendo assim meu benefício veio BEM abaixo do meu salário atual.

  Fica cada vez mais difícil acreditar nesse país. Você leva sua filha em um hospital e colocam vacilina na veia dela, quando não cortam o dedo dela, isso por que a pessoa que esta trabalhando nesse hospital esta mal capacitada devido ao fato de não existir verba suficiente para investir em saúde e educação, porem a verba sobra no momento de aumentar o salários dos covardes e bandidos que por mais cômico que seja foram eleitos por nos mesmos.


  Nesse momento minha vontade é pegar o valor do meu benefício e comprar uma UZI o problema é que eu não sei como a uso.

  Ao lado a cara que fiquei ao saber o valor do meu benefício.

Negue-me

Negue-me a carne,
negue-me o pão,
negue-me a vida se quiseres,
mas não me peça para negar
o amor que sinto por ti

Só Deus sabe
quanto penoso foi chegar aqui,
quantos tive de enfrentar
para hoje me mostrar assim

Negue-me a luz,
negue-me a paz,
negue-me o dia se quiseres,
mas não me peça para negar
o sentimento que mal cabe em mim

Só Deus sabe
quanto árduo foi estar assim,
quantos tive de vencer
para hoje repousar aqui

Negue-me a água,
negue-me o vinho,
negue-me o sangue se quiseres,
mas não me peça para negar
o amor que sinto por ti.

Wilian Jañez
31/03/2007

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Dai-me

Dai-me o sangue, meu amor
Dai-me o vinho
Devolva os anos
Que o tempo me roubou

Dai-me o corpo
Dai-me o espírito
Devolva os dias
Que o tempo me tirou

Dai-me o pão
Dai-me a carne
Devolva a paz
Que o tempo me levou

Dai-me a vida
Dai-me a ti
Devolva o amor
Que tu me privou

Wilian Jañez
07/04/2007

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Um dia sei

Hoje, não sei porque,
me encontro assim calado
longe de tudo que sonhei,
um dia...

Agora sei
que sinto falta de tudo que pensei,
talvez por pensar demais
calei, por dias.

Mas na verdade a alegria
parece reviver,
longe de tudo que sonhei,
um dia...

Agora sei
que quis nunca errar,
talvez por querer demais
errei, por dias.

Reconheço que o amor
parece fenecer,
longe de tudo que sonhei,
um dia...

Agora sei
que quis muito amar
talvez por querer demais
me neguei, por dias.

Wilian Jañez
31/03/2007

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Morte

O pior da morte,
não é a dor de quem fica,
não é a saudade de quem lembra,
nem a tristeza de quem não para de chorar.

O pior da morte,
é o desapontamento,
que sente aquele que não pode continuar.

Wilian Jañez

Eu quero saber

Eu quero saber o que vamos fazer
sobre a miséria sentimental,
pois queremos chorar
pois queremos sofrer
seja bom ou seja mau

Eu quero saber o que vamos fazer
sobre a carência emocional,
pois queremos amar
pois queremos viver
ame bem ou viva mal

Wilian Jañez
27/01/2009

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Poema enjoadinho

Filhos...Filhos?
Melhor não tê-los!
Mas se não os temos
Como sabê-lo?
Se não os temos
Que de consulta
Quanto silêncio
Como o queremos!
Banho de mar
Diz que é um porrete...
Cônjuge voa
Transpõe o espaço
Engole água
Fica salgada
Se iodifica
Depois, que boa
Que morenaço
Que a esposa fica!
Resultado: filho.
E então começa
A aporrinhação:
Cocô está branco
Cocô está preto
Bebe amoníaco
Comeu botão.
Filho? Filhos
Melhor não tê-los
Noites de insônia
Cãs prematuras
Prantos convulsos
Meu Deus, salvai-o!
Filhos são o demo
Melhor não tê-los...
Mas se não os temos
Como sabê-los?
Como saber
Que macieza
Nos seus cabelos
Que cheiro morno
Na sua carne
Que gosto doce
Na sua boca!
Chupam gilete
Bebem xampu
Ateiam fogo
No quarteirão
Porém, que coisa
Que coisa louca
Que coisa linda
Que os filhos são!

Vinícius de Morais

Chefe de família

Ela não é mais tão bonita
as crianças o aborrecem
o emprego o aborrece
mas é necessário
pagar as contas
quitar a casa
fazer novas dividas
ele não bebe mais
não dirige rápido
evita os impulsos
a paixão não existe mais
o desejo não existe mais
o amor é duvidoso,
porém é necessário fingir
sendo assim,
graças ao Deus
ele tem uma esposa amável
belos filhos
um ótimo emprego
é um homem centrado
e tem um cão.

Wilian jañez

Vivendo

Conforme passam os anos
e nossos rostos vão envelhecendo,
nossas convicções se desfazendo
e tudo que achamos tão certo perde a razão
Os amores que eram pra sempre
não existem mais
e aquele que você jurava não sentir
de tempos em tempos retorna
crescendo cada vez mais
Descobrimos que o desejo
era apenas vaidade
Que no meio de tantas pessoas
sempre estávamos sozinhos
E que quantidade e qualidade
nem sempre são parceiras nessa vida
Aprendemos a ser mais humildes
passamos a desejar coisas mais simples
ganhamos a capacidade de saber
a hora certa de chorar
e o momento exato de ceder
aprendemos a amar
aprendemos a viver.

Wilian Jañez
24/07/2008

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Desafio do 7


Will Bill do Versos de Fogo me mandou esse desafio.

Vamos lá!

7 coisas que tenho de fazer antes de morrer:
1. Ser pai
2. Amar menos, para jamais esquecer que é necessário amar sempre mais
3. Plantar mais árvores
4. Publicar um livro
5. Ir ao Gastro
6. Pular de para-quedas
7. Fazer um seguro de vida com valor bem alto

7 coisas que mais digo:
1. Se tá de brincadeira! Né?
2. Se quer me foder! Né?
3. Sou teu pai??? (Quando me pedem dinheiro)
4. Fodeu!
5. Oh time do caraio!!! (Corinthians)
6. Te amo!
7. Vai morrer em casa FDP! (Dirigindo)

7 coisas que faço bem:
1. Amor
2. Sexo
3. Beijar
4. Dirigir
5. Brincar
6. Escrever
7. Zoar os outros

7 defeitos:
1. Exagero
2. Impaciência
3. Vou do estado CALMO para o estado CAI DENTRO0 FDP!!! muito rápido
4. Falar demais
5. Correr demais (Dirigindo)
6. Xingar demais... (Porem foda-se)
7. Segundo minha mulher, peidar demais...

7 qualidades:
1. Prestativo
2. Inteligente
3. Charmoso ;)
4. Sensual : D
5. Protetor
6. Selvagem
7. Destemido

7 coisas que adoro:
1. Minha loucura
2. Corinthians
3. Minhas crianças
4. Minha mulher
5. A vida
6. Os amigos
7. E todas as demais coisas

7 coisas que detesto:
1. Mentira
2. Falsidade
3. Covardia
4. Falta de humildade
5. Preguiça de pensar
6. Quem acha que sou maluco apenas por pensar demais (Pensa é bom, porra!!!!)
7. Mulheres que não transar no primeiro encontro (Com meus amigos)

sábado, 22 de janeiro de 2011

22 de Janeiro e 25 anos de idade

  Hoje completo 25 anos de idade, 1/4 da idade que desejo atingir com saúde, quero morrer no mínimo com 100 anos. Impossível não fazer uma retrospectiva dos dias passados.

  Lembro que antes passava todo o mês de janeiro contando os dias para a chegada do meu aniversário e hoje é quase um dia qualquer, houve também um dia em que eu fazia festa por receber um copo com água e hoje um copo com agua é apenas um copo com água.

  Antes eu tinha mais coragem, menos preocupações, os problemas eram mais simples, a vida era mais simples. Será que vale a pena crescer? Bom... Sejamos positivos e vamos pensar que sim, pois além dos detalhes negativos também existem os positivos, os amores são mais maduros, as decisões mais corretas e a liberdade de ir e vir também é maior, tenho dinheiro pra comprar quase tudo que quero e foi muito válido trocar os carros de brinquedo por um de verdade e o refrigerante por Cerveja, esse foi um passo importante para que eu atinja os 100 anos de idade com saúde, pois refrigerante mata e cerveja só faz mijar, bem mais saudável!

  Hoje com 25 anos de idade desejo apenas completar 26, depois 27, depois 28 e assim sucessivamente até minha grande meta meu centenário. Desejo também passar esses anos seguintes ajuda-la a contar os seus aniversário, depois contar os aniversário dos filhos... netos... bisnetos e assim sucessivamente! rs

FELIZ ANIVERSÁRIO PRA MIM E PARA DUAS PESSOAS MUITO ESPECIAIS QUE SOMAM ANOS DE IDADE COMIGO.

Márcinha e Talita (nasceu umas horas depois de mim), um enorme beijo as duas e parabéns pra nós.

Essa é minha foto de 25 anos!

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Um dia, Amor

Olá amor, olha quantos desatinos
essa loucura nos fez cometer
veja quantos gigantes evitei acordar
para estar aqui com você, um dia...

hoje já não preciso de mapa
para viajar em ti
caminho em seu corpo
como se fosse meu, um dia...

olá amor, olha quantas flores
esse caminho me fez pisar
veja quantos atalhos tive que criar
para estar aqui, um dia...

hoje já não preciso de tato
para tocar em ti
toco em sua alma
como se fosse minha, um dia...

Olá amor, olha quantos sonhos
esse repouso nos fez viver
te peço, que comigo não sonhe mais
pois sei que vou partir sem você, um dia...

Wilian Janez
01/04/2007

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Ritmos - LuH


Leia aqui.

Lua e Sol

Amigo Sol, quando vou te encontrar?
Toda vez que eu venho, você vai
Sempre que eu chego, você sai
Quando você queima por aqui
eu embalo casais lá no Japão
E quando aqui anoitece
e me vejo em serenata
você ilumina do outro lado,
vencendo a escuridão

Amigo Sol, quando vou te encontrar?
Sempre que eu chego aqui,
você já partiu pra lá
Me diz porque não pode esperar!

Amiga Lua, não fique assim por favor
Se acalme, e assim também irei me acalmar
Saiba que nunca poderemos nos encontrar,
pois sua luz e meu brilho são tão intensos
que o mesmo céu, jamais poderemos habitar.

Wilian Jañez
11/06/2008

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Como não te amar

Como não te amar, mulher minha
se quando tu sorri o mundo cala,
meu grito abafa, minha voz não vem
se quando te vejo o mundo para,
minha vida acalma, raiva não tem

Como não te amar, mulher minha
se quando tu vai o mundo para,
minha paz abala, meu ar não vem
se quando tu volta o mundo cala,
meu riso salta, dor não tem

Como não te amar, vida minha
se quando tu me ama eu te amo também.

Wilian Jañez
16/05/2008

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Quando o Sol

Quando surge o sol
vencendo o breu
fico a tua espera
quero te ver chegar.

Quando arde o sol
desafiando o frio
sigo a tua espera
quero te ver ficar.

Quando parte o sol
nascendo a escuridão
durmo a tua espera
quero te ver me amar.

Wilian Jañez
05/07/2007

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Quando penso em você

Quando penso em você
sinto que ser feliz ainda é possível
sinto que o amanhã será mais bonito
e sem você não posso mais

Quando penso em você
lembro do seu sorriso
sei que é de você que eu preciso
pois sem você não quero mais

Quando penso em você
lembro dos seus olhos dentro dos meus
sei que é de você que eu necessito
pois sem você não sonho mais

Quando penso em você
lembro da sua face frente a minha
sei que é do seu calor que eu preciso
pois sem você não vivo mais

Quando penso em você
sinto que ainda estou vivo
sinto que meu peito ainda pode amar
e sem você não amo mais.

Wilian Jañez
14/05/2008

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Quando te encontrar

Quando te encontrar,
quero te ver nua de tudo que é passado.
Quero que esteja disposta
a provar do que o novo tem a lhe dar.

Quando te olhar,
quero te ver revestida de tudo que é belo.
Quero que esteja disposta
a provar da alegria que eu posso lhe dar.

Quando te beijar,
quero te sentir livre de tudo que é dor.
Quero que esteja disposta
a provar do amor que eu preciso lhe dar.

Wilian Jañez
03/07/2007

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Nossas vidas

Posto-me em teu corpo
sem pensar em partida
firmo meus pés na tua terra
faço tua a minha vida

Cravo-me em tua terra
sem pensar em saída
firmo meu desejo no teu corpo
faço minha a tua vida

Entrego-me ao teu amor
sem pensar em outra vida
abrigo meu coração no teu peito
declaro nossas as nossas vidas

Wilian Jañez
02/05/2007

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Haiti



Quando você for convidado pra subir no adro
Da fundação casa de Jorge Amado
Pra ver do alto a fila de soldados, quase todos pretos
Dando porrada na nuca de malandros pretos
De ladrões mulatos e outros quase brancos
Tratados como pretos
Só pra mostrar aos outros quase pretos
(E são quase todos pretos)
E aos quase brancos pobres como pretos
Como é que pretos, pobres e mulatos
E quase brancos quase pretos de tão pobres são tratados
E não importa se os olhos do mundo inteiro
Possam estar por um momento voltados para o largo
Onde os escravos eram castigados
E hoje um batuque um batuque
Com a pureza de meninos uniformizados de escola secundária
Em dia de parada
E a grandeza épica de um povo em formação
Nos atrai, nos deslumbra e estimula
Não importa nada:
Nem o traço do sobrado
Nem a lente do fantástico,
Nem o disco de Paul Simon
Ninguém, ninguém é cidadão
Se você for a festa do pelô, e se você não for
Pense no Haiti, reze pelo Haiti
O Haiti é aqui
O Haiti não é aqui
E na TV se você vir um deputado em pânico mal dissimulado
Diante de qualquer, mas qualquer mesmo, qualquer, qualquer
Plano de educação que pareça fácil
Que pareça fácil e rápido
E vá representar uma ameaça de democratização
Do ensino do primeiro grau
E se esse mesmo deputado defender a adoção da pena capital
E o venerável cardeal disser que vê tanto espírito no feto
E nenhum no marginal
E se, ao furar o sinal, o velho sinal vermelho habitual
Notar um homem mijando na esquina da rua sobre um saco
Brilhante de lixo do Leblon
E quando ouvir o silêncio sorridente de São Paulo
Diante da chacina
111 presos indefesos, mas presos são quase todos pretos
Ou quase pretos, ou quase brancos quase pretos de tão pobres
E pobres são como podres e todos sabem como se tratam os pretos
E quando você for dar uma volta no Caribe
E quando for trepar sem camisinha
E apresentar sua participação inteligente no bloqueio a Cuba
Pense no Haiti, reze pelo Haiti
O Haiti é aqui
O Haiti não é aqui

Caetano Veloso e Gilberto Gil


Essa letra é absurda de boa! Mesmo assim preferia que ela não precisasse ser escrita.

Erva Menina

Toda vez que planto
um pensamento germina ela
Como fosse erva daninha,
sem razão ocupa
o espaço dos meus pensamentos
e não há mãos duras e firmes
que dêem conta de arrancar erva danada
Toda vez que pelas mãos erva finda
armo um pensamento
e nova erva teimosa germina
não sei como afastar do meu pensar
tal erva menina.

Wilian Jañez

Sorriso de Andreza Tagliaferro

Teu sorriso é belo e tão forte
que quando meus olhos
encontraram teu sorriso
meu corpo todo se arrepiou
como que tomado por
uma brisa de inverno
em pleno forte sol e calor

Teu sorriso é tão grande
que quando aberto
até o sol de verão se faz menor
vi tanta vida em teu sorriso
que como eu não iria me encantar?
teu sorriso carrega tudo que é paz
teu sorriso é tão bom
que quero esquece-lo jamais.

Wilian Jañez
09/06/2008

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Poeta amante

Na noite em que a nossa lua deixou de brilhar
o poeta correu até o monte
e pôs-se a chorar.
- De que vale um poeta que não sabe amar?

O poeta despiu-se por inteiro
e ajoelhado pôs-se a chorar
socando o peito gritava:
- Faz desse poeta cinza e da cinza de poeta faça algo que saiba amar!

O poeta livrou-se de toda fantasia
e olhando para o alto
pediu como nunca antes.
- Livre-me de ser poeta e me faça de uma vez amante!

Wilian Jañez
20/06/2007

Entrevista com Sérgio Vaz

Poeta e agitador cultural da periferia de São Paulo, Sérgio Vaz.

Pé de Coelho

Se pé de coelho desse sorte
o coelho tendo quatro pés
não perderia um a um
em prol da sorte dos outros

Wilian Jãnez

Palavras de Jean Cocteau


Quando lhe perguntaram: Se sua casa pegasse fogo, o que o senhor salvaria?

– Eu salvaria o fogo! Se o mundo pegasse fogo, o que eu salvaria? Eu salvaria essa centelha, esse único amor, o único Deus que não seria um ídolo; nós o possuímos apenas quando o damos... A única coisa que jamais nos será tirada é aquilo que doamos. Se minha vida pegasse fogo, o que eu salvaria? Assim na Terra como no Céu, nada salvamos... apenas aquilo que doamos.

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Se

E se resolvo fechar os olhos
se resolvo nunca mais abrir meus olhos
se resolvo nunca mais sentir dor
O que você faria, meu amor?

Iria chorar por dias
Me esquecer por anos

E se resolvo ir embora
se resolvo nunca mais voltar
se resolvo nunca mais sentir amor
O que você faria?

Iria me procurar por dias
Me esquecer por anos

E se eu resolvo descansar
se eu resolvo nunca mais levantar
se eu resolvo nunca mais te amar
O que você faria?

Wilian Jañez
26/04/2007

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Gosto de te amar

Gosto de te ver chegar.
Com você cada momento é eterno,
cada instante é pra sempre
e eu nem sei como explicar.

Gosto de te ver ficar.
Com você cada beijo é imenso,
cada abraço é infinito
e eu nem sei como explicar.

Gosto de te olhar.
Com você o amor é mais que bastante
e eu nem sei qual a melhor forma de te amar.

Wilian Jañez
11/06/2007

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Renascimento

Tu, que moras no céu
que és o todo poderoso
criador de tudo e de todos
se tens piedade de mim
parta-me ao meio
e me arranque do peito
toda essa dor
me lave com todo ódio
me livre de todo amor.

Wilian Jañez
23/04/2007

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

A Pedra


Ao passar pela rodovia
lá em cima na serra
eu vi uma pedra
ela está ali
a milhões de anos
olhando para o mesmo lugar
e mesmo sem sair de lá
aquela pedra
viu mais coisas
que minhas pernas terão
tempo de me mostrar.

Wilian Jañez

O caso dos dez negrinhos


Dez negrinhos numa cela
e um deles já não se move.
Fugiram de manhã cedo,
mas eram nove.

Nove negrinhos fugindo
e um deles, o mais afoito,
dançou: cruzou com uma bala...
Correram oito.

Oito negrinhos trabalham
de revólver e canivete;
roupa cáqui vem chegando,
fugiram sete.

Sete negrinhos passando
pela rua de vocês;
alguém chamou a polícia,
correram seis.

Seis negrinhos dão o balanço:
bolsa, anel, relógio, brinco...
Houve um erro na partilha,
sobraram cinco.

Cinco negrinhos de olho
na saída do teatro.
Um vacilou, deu bobeira...
Correram quatro.

Quatro negrinhos trombando,
todos quatro de uma vez.
Um deles a gente agarra,
mas fogem três.

Três negrinhos que batalham
feijão, farinha e arroz.
Um se deu mal: a comida
dava pra dois.

Dois negrinhos se embebedam
de brahma, cachaça e rum.
Discussão, briga, navalha...
e fica um.

E um negrinho vem surgindo
do meio da multidão:
por trás desse derradeiro
vem um milhão.

Braulio Tavares

sábado, 1 de janeiro de 2011

Pensamentos...

"Para mim a excelência jamais foi uma virtude, prefiro a loucura e a liberdade"

"A vida acontece dentro de nós mesmos, o tempo é apenas um detalhe"

Wilian Jañez