sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Vinho

Deixa minha língua navegar
no complexo vinho da tua saliva.

Deixa-me tornar embriaguez
o que seria apenas beijo.

Deixa que eu toque
com as franjas do meu corpo
a tua alma profunda
(segregada e manifesta em teus humores).

Deixa que eu a perceba
como a uma sereia de certezas
(içada de um imenso mar de dúvidas).

Luís Bogo