quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Ainda que mal

Ainda que mal pergunte,
ainda que mal respondas;
ainda que mal te entenda,
ainda que mal repitas;
ainda que mal insista,
ainda que mal desculpes;
ainda que mal me exprima,
ainda que mal me julgues;
ainda que mal me mostre,
ainda que mal me vejas;
ainda que mal te encare,
ainda que mal te furtes;
ainda que mal te siga,
ainda que mal te voltes;
ainda que mal te ame,
ainda que mal o saibas;
ainda que mal te agarre,
ainda que mal te mates;
ainda assim te pergunto
e me queimando em teu seio,
me salvo e me dano: amor.

Carlos Drummond de Andrade

domingo, 27 de novembro de 2011

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Letra de doer

  Como sou adorador da poesia, acabo o tempo todo prestando atenção na letra das músicas que ouço e as vezes é de doer.

  Hoje, por exemplo, estava vindo pro trabalho procurando alguma música de estação em estação quando me deparo com uma música de Chitãozinho & Xororó foi inevitável não prestar atenção na letra, na verdade levei um tempo para entender que aquilo não era brincadeira, de fato era uma música de trabalho da drupa. Que letra ruim... segue...

Se for pra fazer a guerra
que seja de travesseiroSe for pra ter solidão
que seja no chuveiro (flap flap flap)
Se for pra perder
que seja o medo
Se for pra mentir
que seja a idade

Se for pra matar
que seja a saudade
Se for pra ser feliz
que seja o tempo todo
Se for pra morrer
que seja de amor
Se for pra tirar de alguém
que seja a sua dor
Se for pra ir embora
que seja a tristeza
Se for pra ferir
que seja sem querer
Se for pra viver
que seja pra ficar pra sempre com você
(...)

  Chega! Não é necessário colocar a letra inteira, um trecho basta pra vocês terem noção do que falo. Nada contra os caras, ao contrário, já gravaram tantas músicas bonitas com muita poesia deveriam se limitar a não gravar uma letra dessas... A música sertaneja não merece... Mas enfim.

  Seguindo a linha de letras tão ruins que acabamos ouvindo por não acreditar que realmente aquilo existe, segue uma da Claudia Leita, mãe de Deus, essa sim é pra terminar de foder arrebentar com tudo... lá vai!

Preto se você me der amor,
Tudo de mim você terá
Preto, se você pisar na bola,
Boto outro em seu lugar

Porque o carro é meu
O celular é meu
O silicone é meu
Não foi você quem deu

Tô cheia do vazio
Do que me prometeu
Quem Manda Em Mim Sou Eu


  Careleo!!! Seus filhos estão ouvindo isso! Que valores são esses? heuheuheu é meu... é meu... é meu... Se eu fosse o Preto mandava enfiar tudo que é dela no rabo ela me esquecer e iria viver minha vida...

  Sem mais... Tenho CERTEZA que logo vou trazer outras letrar pra vocês... a coisa esta feia!

[]´s

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Novembro

Cada instante que passa
jamais tornará a acontecer
da mesma forma são os versos
todo verso que eu deixo passar
não vai acontecer novamente
e a vida vai mudar
amanhã estarei mais maduro
com outro pensamento
e não vou concordar com aquele verso
que era essencial pra aquele momento da vida

Tem vezes que a vida fica corrida
e me vejo ocupado
nessas horas noto como a poesia faz falta
percebo quando a vida realmente
ficou muito ocupada
nos momentos em que
nem sou capaz de perceber
a falta que a poesia faz
a inspiração não vem,
pois não tem chances de chegar perto,
de me tocar, e tudo fica tão frio
apenas com a poesia
as coisas aquecem de verdade
só com ela, de fato,
a vida merece ser vivida

E é claro que nesse momento a vida não é feliz
a vida fica pobre, apagada
porém quando me perguntam se estou feliz
respondo que sim, óbvio!
Pois a felicidade é uma obrigação
é feio dizer que não somos felizes
mas se alguém precisa perguntar
se você é feliz a resposta já foi dada
pois se a felicidade existisse em você estaria nítida
e a pergunta não seria necessária.

Wilian Jañez

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Você continuará me amando amanhã?


Essa noite você é meu completamente
Você dá seu amor tão doce
Essa noite a luz do amor está nos seus olhos
Mas você continuará me amando amanhã?

Isso é um tesouro duradouro
Ou apenas um prazer do momento?
Posso acreditar na mágica dos seus suspiros?
Você continuará me amando amanhã?

Essa noite com palavras não ditas
Você diz que eu sou a única
Mas meu coração será partido
Quando a noite encontrar o sol da manhã?

Eu quero saber que o seu amor
É um amor do qual eu posso ter certeza
Então me diga agora, eu não vou perguntar de novo
Você continuará me amando amanhã?
Então me diga agora, eu não vou perguntar de novo
Você continuará me amando amanhã?
Você continuará me amando amanhã?

The Shirelles

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Confissão

Não amei bastante meu semelhante,
não catei o verme nem curei a sarna.
Só proferi algumas palavras,
melodiosas, tarde, ao voltar da festa.

Dei sem dar e beijei sem beijo.
(Cego é talvez quem esconde os olhos
embaixo do catre.) E na meia-luz
tesouros fanam-se, os mais excelentes.

Do que restou, como compor um homem
e tudo que ele implica de suave,
de concordâncias vegetais, murmúrios
de riso, entrega, amor e piedade?

Não amei bastante sequer a mim mesmo,
contudo próximo. Não amei ninguém.
Salvo aquele pássaro – vinha azul e doido –
que se esfacelou na asa do avião.

Carlos Drummond de Andrade

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Soneto do Vinho

Em que reino, em que século, sob que silenciosa
Conjunção dos astros, em que dia secreto
Que o mármore não salvou, surgiu a valorosa
E singular idéia de inventar a alegria?

Com outonos de ouro a inventaram.
O vinho flui rubro ao longo das gerações
Como o rio do tempo e no árduo caminho
Nos invada sua música, seu fogo e seus leões.

Na noite do júbilo ou na jornada adversa
Exalta a alegria ou mitiga o espanto
E a exaltação nova que este dia lhe canto

Outrora a cantaram o árabe e o persa.
Vinho, ensina-me a arte de ver minha própria história
Como se esta já fora cinza na memória.

Jorge Luis Borges