domingo, 8 de dezembro de 2013

Brasil, o país do futuro!



  Não entendo todo esse alarde pelos atrasos referente aos eventos da Copa do Mundo, quando digo mundo exclua desse mundo o povo brasileiro, pois apesar da parte mais bela do futebol estar no povo, esse evento não cabe a nós.

  Qual o problema da Copa estar atrasada, ela esta sendo preparada no Brasil e aqui é país do atraso. Sempre estamos atrasados, a menstruação das meninas que acabaram de deixar a infância esta atrasada, as consultas na rede pública de saúde estão atrasadas, os exames nem se falam, as aulas estão atrasadas, os salários dos trabalhadores, as obras nas periferias, as reformulações nas leis, hoje se não há flagrante não há prisão, super normal você ser abordado com um carro que possui queixa por roubo, vai responder em liberdade, longa liberdade pois o processo vai atrasar. Tudo atrasa, só a novela não atrasa.

  Eu vou concordar com Aldo Rebelo, creio que o Brasil seja um país tradicional, sempre atrasado como é tradicional as noivas se atrasarem, o azar de quem não tem tempo para estar atrasado e vítima desse atrasado não lerá essas linhas.

Assim como esta atrasado o futuro do Paulino, o menino da foto que foi flagrado pelo mundo nadando em um córrego com esgoto e lixo colhendo latas para ajudar sua família a honrar as necessidades básicas que não atrasam, a fome por exemplo.

  O Brasil é o país do futuro, isso todos nós sabemos, a tempos ouvimos essa frase, o único problema do Brasil é esse futuro estar atrasado.

Wilian Jañez

terça-feira, 22 de outubro de 2013

Fruta no pé

Em pé e parado no chão,
como tivesse gerado minhas próprias raízes,
observo um pomo maduro no galho
Habitante da parte mais alta da árvore
é inatingível para mim e os demais bichos terrestres
e mesmo na distância
noto a delicadeza que possui tal fruta
ao estar ligada ao pé por um fio de galho
mais delicado que ela própria
Repouso meu corpo inquieto
na base do tronco da árvore
onde a fruta se torna
invisível para meus olhos
porem viva em meu pensamento,
e sem me perturbar com a grama
que coça minha pele
fecho os olhos e começo a imaginar
o prazer de ter a fruta nas mãos,
toca-la com volúpia sentindo sua casca
junto da palma da minha mão,
e estando nessa menor distância
poder notar calmo e atencioso
cada detalhe dessa fruta
Com os olhos fechados
aproxima-la do meu rosto
e sentir o cheiro que ela tem
Após um tempo leva-la até a boca
lhe cravar os dentes na carne,
sentir seu gosto de fruta dominar meu paladar
como se não houvesse no mundo
gosto tão bom quanto esse
O suco escorre pelo canto da minha boca
e se perde na pele desabando na direção do queixo
Depois de provar cada pedaço
espalho meu corpo no chão
e mais calmo adormeço
tendo meu corpo, antes vazio,
preenchido pelas sensações
que só essa fruta
inatingível no alto da árvore
é capaz de me dar.

Wilian Jañez

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Dia chuvoso

As gotas caem cada vez maiores
vão ocupando o espaço do vidro
formando uma constelação de estrelas aquosas
o ambiente, como fosse um músculo no frio,
se contrai
se fecha
se abafa
se aquece
se torna quase um útero
e eu o feto
infecto
impuro
contaminado pelas coisas do mundo
desejo o parto
a luz do dia
a vida externa
mas com a quantidade de estrelas aquosas que caem
é melhor ser feto.

Wilian Jañez

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Da solidão


Sequioso de escrever um poema que exprimisse a maior dor do mundo, Poe chegou, por exclusão, à idéia da morte da mulher amada. Nada lhe pareceu mais definitivamente doloroso. Assim nasceu "O corvo": o pássaro agoureiro a repetir ao homem sozinho em sua saudade a pungente litania do "nunca mais".

Será esta a maior das solidões? Realmente, o que pode existir de pior que a impossibilidade de arrancar à morte o ser amado, que fez Orfeu descer aos Infernos em busca de Eurídice e acabou por lhe calar a lira mágica? Distante, separado, prisioneiro, ainda pode aquele que ama alimentar sua paixão com o sentimento de que o objeto amado está vivo. Morto este, só lhe restam dois caminhos: o suicídio, físico ou moral, ou uma fé qualquer. E como tal fé constitui uma possibilidade - que outra coisa é a Divina comédia para Dante senão a morte de Beatriz? - cabe uma consideração também dolorosa: a solidão que a morte da mulher amada deixa não é, porquanto absoluta, a maior solidão.

Qual será maior então? Os grandes momentos de solidão, a de Jó, a de Cristo no Horto, tinham a exaltá-la uma fé. A solidão de Carlitos, naquela incrível imagem em que ele aparece na eterna esquina no final de Luzes da cidade, tinha a justificá-la o sacrifício feito pela mulher amada. Penso com mais frio n'alma na solidão dos últimos dias do pintor Toulouse-Lautrec, em seu leito de moribundo, lúcido, fechado em si mesmo, e no duro olhar de ódio que deitou ao pai, segundos antes de morrer, como a culpá-lo de o ter gerado um monstro. Penso com mais frio n'alma ainda na solidão total dos poucos minutos que terão restado ao poeta Hart Crane, quando, no auge da neurastenia, depois de se ter jogado ao mar, numa viagem de regresso do México para os Estados Unidos, viu sobre si mesmo a imensa noite do oceano imenso à sua volta, e ao longe as luzes do navio que se afastava. O que se terão dito o poeta e a eternidade nesses poucos instantes em que ele, quem sabe banhado de poesia total, boiou a esmo sobre a negra massa líquida, à espera do abandono?

Solidão inenarrável, quem sabe povoada de beleza... Mas será ela, também, a maior solidão? A solidão do poeta Rilke, quando, na alta escarpa sobre o Adriático, ouviu no vento a música do primeiro verso que desencadeou as Elegias de Duino, será ela a maior solidão?

Não, a maior solidão é a do ser que não ama. A maior solidão é a do ser que se ausenta, que se defende, que se fecha, que se recusa a participar da vida humana. A maior solidão é a do homem encerrado em si mesmo, no absoluto de si mesmo, e que não dá a quem pede o que ele pode dar de amor, de amizade, de socorro. O maior solitário é o que tem medo de amar, o que tem medo de ferir e de ferir-se, o ser casto da mulher, do amigo, do povo, do mundo. Esse queima como uma lâmpada triste, cujo reflexo entristece também tudo em torno. Ele é a angústia do mundo que o reflete. Ele é o que se recusa às verdadeiras fontes da emoção, as que são o patrimônio de todos, e, encerrado em seu duro privilégio, semeia pedras do alto da sua fria e desolada torre.

Vinícius de Moraes

Quereres

Há quem queira um filho
uma casa
um cão
uma bebida
uma médico
um fígado
                Há quem queira trepar
                gozar
                reviver
                amar
                chorar
                morrer
                           Há quem queria um cu
                           um emprego
                           uma flor
                           uma briga
                           uma lágrima
                           um poema
                                            Eu só quero um beijo seu.

Wilian Jañez

Olhar

Toda saudade cabe em um olhar
os olhos choram quando se encontram
não são mais olhos de alegria
olhos de quero logo estar junto
são olhos de nunca mais
ao mesmo tempo
olhos de quero mais.

Wilian Jañez

A Vida

  Nunca sabemos o que a vida nos reserva, por vezes temos alguma desconfiança e podemos até esboçar como será o futuro, porém nunca teremos certeza.

  De um salto podemos alçar vôo, mas também podemos nos arrebentar no chão. Seria chata a vida se ela fosse apenas certezas. Todas as vezes que me arrebentei não morri, fiquei mais forte e nas vezes seguintes estava fortalecido para voar cada vez mais longe e mais alto, por esse motivo não me acovardo e jamais deixo de saltar. Não que eu não goste de estar firme sobre a da pedra, as vezes fico por um tempo pois é seguro, mas nada mais vivo que a sensação de estar incerto no ar.

Wilian Jañez

sábado, 5 de outubro de 2013

Amigo

Amigo,
É aquele que não declara a sua beleza,
apenas repousa enquanto ah admira.
É aquele que no lugar de combater sua tristeza,
apenas senta e alimenta a sua embriagueis.

É aquele que quando você esta mais cansado
lhe atormenta o repouso a todo custo.
É aquele que resgata do passado
acontecimentos que você desejava nunca mais recordar.

É aquele que sempre lhe ajuda a fazer coisa errada
pela ultima vez, penúltima vez, antepenúltima vez, ...
É aquele que lhe trata como um filho,
lhe dando todo tipo de auxilio, quando necessário

É aquele que não exige sua atenção,
apenas se mantém ao seu lado.
É aquele que não luta contra o seu final,
apenas te mostra o caminho para o recomeço.

Wilian Jañez
06/04/2007

sexta-feira, 4 de outubro de 2013

Milágrimas

Em caso de dor, ponha gelo 
mude o corte de cabelo 
mude como modelo 
vá ao cinema dê um sorriso 
ainda que amarelo, esqueça seu cotovelo

se amargo foi já ter sido 
troque já esse vestido 
troque o padrão do tecido 
saia do sério deixe os critérios 
siga todos os sentidos 
faça fazer sentido 
a cada mil lágrimas sai um milagre

caso de tristeza vire a mesa 
coma só a sobremesa coma somente a cereja 
jogue para cima faça cena 
cante as rimas de um poema 
sofra penas viva apenas 
sendo só fissura ou loucura 
quem sabe casando cura ninguém sabe o que procura 
faça uma novena reze um terço 
caia fora do contexto invente seu endereço 
a cada mil lágrimas sai um milagre

mas se apesar de banal 
chorar for inevitável sinta o gosto do sal do sal do sal 
sinta o gosto do sal 
gota a gota, uma a uma 
duas três dez cem mil lágrimas 
sinta o milagre 
a cada mil lágrimas sai um milagre

Itamar Assumpção

quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Amor com fim

Sim, o amor acabou,
mas obrigado por ter começado.
Fui feliz porque te amei
honrado por ter estado ao seu lado,
mas ainda que tua boca diga que me ama
o silêncio dos teus olhos aflige meu coração.

Houve um tempo que sorríamos muito
em que nossas mãos caminhavam unidas
como uma oração ao Deus da felicidade
e hoje, ainda que haja lágrimas
essa lembrança alivia a dor na despedida.

Peço perdão
se por acaso não cumpri a promessa da eternidade
porém fui eterno todas as vezes que,
entre um sussurro e outro,
ajoelhei diante do milagre dos teu beijos.
E crucificado
na cruz dos dias que não davam certo
me sentia um deus
todas as noites
que ressuscitava em seu braços
o amor nosso de cada dia.

Não sei se posso ser seu amigo
depois ter sido seu amante,
mas depois de ter sido teu amante,
que graça tem ser seu amigo?

Não quero de volta as estrelas
que te dei
em troca de
todas as vezes que você me levou ao céu.
O amor é um presente
que poucos podem ter, ou dar.
Amar é um ato de coragem
já desamar requer humildade.

Quando se dá o último abraço
é porque já faltava braços há muito tempo.

Não quero entender o amor
de minha parte, só queria dizer obrigado.

Sérgio Vaz


terça-feira, 1 de outubro de 2013

Ferreira Gullar



"A história humana não se desenrola apenas nos campos de batalhas e nos gabinetes presidenciais. Ela é desenrola também nos quintais, entre plantas e galinhas, nas ruas de subúrbios, nas casas de jogos, nos prostíbulos, nos colégios, nas usinas, nos namoros de esquinas. Disso eu quis fazer a minha poesia. Dessa matéria humilde e humilhada, dessa vida obscura e injustiçada, porque o canto não pode ser uma traição à vida, e só é justo cantar se o nosso canto arrasta consigo as pessoas e as coisas que não tem voz."

Corpo a corpo com a linguagem (artigo publicado em 1999)

SABOTAGE (O INVASOR)

MAURO
ERA UM NEGRO DE ASAS.
UM PÁSSARO
COM OS PÉS NO CHÃO.
SOM DE ÉBANO
COM PELE DE COURO,
O MOURO FEZ NINHO NO CANÃO.
O PASSADO,
QUE O FUTURO QUERIA
ESCRITO EM CARVÃO,
DEIXOU DE SER PÓ
PRA SER PÃO,
AO SE VICIAR EM POESIA.
O POETA
DE PLUMAS NEGRAS
E VOZ DE PEDRA
CRAVOU SEU CANTO
PRETO E BRANCO
NAS VIDRAÇAS
DO MUNDO COLORIDO.
FILHO BANTO
EM CARBE E CARCAÇA
SERVIU A TAÇA
COM VIDRO MOÍDO
AOS TRAIDORES DA RAÇA.
NAVEGANTE
DE MARES INSOLENTES
SUA BÚSSOLA
APONTAVA SEMPRE PARA A PERIFERIA.
A RIMA ERA O RUMO
O REMO DA SINA.
NO AR,
COMO FUMAÇA DE FUMO
E VERMELHA RETINA,
ERA FRIO
ERA QUENTE,
MAS NUNCA BANHO-MARIA.
UM DIA
NUM VÔO CURTO
DEPOIS DE UMA LONGA METRAGEM
UM DISPARO SEM ROSTO
UMA BALA SEM GOSTO
CALOU O PERSONAGEM.
DIANTE DISSO
E SEM NOS ESPERAR
DESFEZ O COMPROMISSO
SEGUIU DE VIAGEM
E FOI CANTAR EM OUTRO LUGAR,
NUM BOM LUGAR.

SÉRGIO VAZ

segunda-feira, 30 de setembro de 2013

A miséria do mundo

A miséria do mundo é ser só
não digo estar só,
por vezes é necessário estar só,
porem ser só é a escuridão
A solidão completa é demais para qualquer um,
seja você, eu ou um cão
Ninguém deseja ser sozinho
Desejamos sermos aceitos,
queridos, amados, desejados
até mesmo, quem sabe, odiados,
mas jamais desejamos o completo esquecimento
Mesmo na morte somos lembrados
seja a lembrança mínima de uma lápide fria ou de um obituário,
mas nos resta alguma lembrança
Sempre existirá o momento
que desejaremos a companhia de alguém
mesmo que sem assunto,
mas haverá uma presença.
Desejamos um sorriso, um olhar,
um aceno vindo da casa da frente,
um abanar de rabo,
uma lambida na mão,
qualquer pequeno acontecimento
que nos afirme e prove que não somos sós,
mas jamais desejamos a miserável morte em vida
que é o fato de sermos sós.

Wilian Jãnez

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

John Donne

Nenhum homem é uma ilha isolada; cada homem é uma partícula do continente, uma parte da terra; se um torrão é arrastado para o mar, a Europa fica diminuída, como se fosse um promontório, como se fosse a casa dos teus amigos ou a tua própria; a morte de qualquer homem diminui-me, porque sou parte do gênero humano. E por isso não perguntes por quem os sinos dobram; eles dobram por ti.

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Você é uma cidade?

Quem gosta de viajar talvez já tenha pensado nisso: as pessoas são como cidades. Quando nos envolvemos com elas, quando passamos a conhecê-las intimamente, é o equivalente a caminhar sem mapa por ruas nas quais nunca pisamos, por bairros que não sabíamos existir. O prazer desse passeio inaugural é irreproduzível. Você poderá voltar às mesmas ruas muitas vezes, deve fazê-lo na verdade, mas nenhum outro momento terá a surpresa daqueles instantes iniciais, quando os nossos olhos são puros e o nosso coração é virgem outra vez. Pode-se amar uma cidade a vida inteira, mas é impossível descobri-la duas vezes.

A imagem das pessoas como cidades me ocorreu na semana passada, enquanto conversava com uma amiga que está redescobrindo o mundo. Falávamos de novos relacionamentos, sobre a luz fresca que eles despejam sobre a nossa vida, de como nos despertam a totalidade dos sentidos. Então surgiu a ideia de que as pessoas são como cidades ensolaradas e coloridas – às vezes sombrias e chuvosas - que vão sendo exploradas à medida que as conhecemos. Ou à medida que consintam em ser devassadas.
Se eu olhar para o meu passado – e você para o seu – descobriremos ter passado por diferentes geografias humanas.

Havia uma moça, aos 19 anos, que era uma tempestade em movimento. Enquanto estivemos juntos, eu descobria, a cada passo, ruas sombrias que me assustavam, placas com direções contraditórias, terrenos abandonados e hostis. Na cidade que era ela, quanto mais eu andava mais perdido me sentia.

Consegui espantar o medo do que via em troca do prazer de estar ali, mas isso não foi suficiente. Antes que eu tivesse tempo de fazer um mapa, de ensaiar a mais elementar das compreensões, ela se foi. Só fui revê-la anos depois, ainda impenetrável, ainda perturbadora.

Com o passar do tempo, eu, que me julgava um amante da sombra, descobri os prazeres da luz – e o fascínio daquilo que é, ao mesmo tempo, transparente e intraduzível.

Uma mulher de imensa delicadeza entrou na minha vida e a encheu de sol. Mais que uma cidade, ela me pareceu um país inteiro. Andei tanto por suas ruas, me perdi tanto descobrindo, que não notei que havia ficado sozinho. Tive de deixar a cidade que eu amava e aquilo foi como um exílio. Passaram-se anos antes que eu encontrasse outra pessoa tão marcante, outra cidade tão nova e diferente da minha, outro lugar de onde não queria me afastar. Explorei essa nova cidade com a urgência de quem nunca vira nada semelhante, arfando e rindo, tomado pela alegria e o colorido do que ia percebendo. Nunca me senti tão acolhido, nunca fui tão feliz. Mais que uma cidade, havia uma festa ao meu redor. Quando, ao final, as luzes se apagaram, eu havia me tornado outro homem – suavizado pela experiência tranquila de amor, capaz de entender, finalmente, o que me cabe e o que me completa.

Como sabem os amantes das viagens, uma cidade leva a outra. Explorar é explorar-se. Conhecer é conhecer-se. Cada experiência nos prepara para a outra. Cada mudança antecipa a outra que está por vir. Assim, aos trancos, cheguei à cidade onde me encontro. Não a havia antecipado. Quando a vi, me pareceu tão linda que não me cabia, mas fui ficando, como um usurpador ou um clandestino. Tornou-se o meu lugar. Às vezes descubro uma esquina nova, de vez em quando me perco na beira do Rio, fico. Gosto do que conheço, sinto que há muito mais a descobrir. Percebo, meio encantado, que esta cidade cresce à frente dos meus passos, ao meu redor, comigo. Há nela algo de inesgotável que reage a mim. É a minha cidade. Cuido dela, que me faz feliz.

Minha amiga me faz notar, porém, que nem todas as pessoas são cidades. Algumas serão vastos continentes gelados. Outras, apenas becos sem saída.

Posto diante dessa imagem poderosa, me pergunto quem sou eu. Um quarteirão deserto e árido? Uma praça com bancos coloridos? Uma cidadezinha preguiçosa plantada num vale? Uma metrópole à beira mar, varrida pelo vento e pela sirene dos navios? Eu não sei. Não sabemos, na verdade. E nem nos cabe dizer. Na verdade, temos de ser descobertos, nomeados e mapeados. É pelo olhar amoroso do outro que nos revelamos. É no olhar do outro que nos re-conhecemos. Como uma cidade. Um país. Um mundo que o outro queira habitar – e transformar em sua casa.

Ivan Martins

Charles Baudelaire

É preciso estar sempre embriagado.
Eis aí tudo: é a única questão.
Para não sentirdes o horrível fardo do Tempo que rompe os vossos ombros e vos inclina para o chão, é preciso embriagar-vos sem trégua.
Mas de quê? De vinho, de poesia ou de virtude, à vossa maneira. Mas embriagai-vos.
E se, alguma vez, nos degraus de um palácio, sobre a grama verde de um precipício, na solidão morna do vosso quarto, vós acordardes, a embriaguez já diminuída ou desaparecida, perguntai ao vento, à onda, à estrela, ao pássaro, ao relógio, a tudo que foge, a tudo que geme, a tudo que anda, a tudo que canta, a tudo que fala, perguntai que horas são; e o vento, a onda, a estrela, o pássaro, o relógio, responder-vos-ão: 
'É hora de embriagar-vos! Para não serdes os escravos martirizados do Tempo, embriagai-vos: embriagai-vos sem cessar! De vinho, de poesia ou de virtude, à vossa maneira'.

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Cuidado com os Poetas

Desconfie dos poetas e das poetizas,
Essas pessoas brincam com as palavras,
Te envolvem, te seduzem,
E atacam sorrateiramente, sem que perceba.

É quase impossível fugir de suas rimas,
Eles são ousados,
Tem quem escreva versos em placas e amarre-as em postes.
Não se iluda, basta uma espiada e, logo...
estará com um livro da Clarisse Lispector nos braços!

Cuidado com os poetas,
Essas pessoas são subversivas,
Propagam a indignação e a desordem,
Se acham no direito de mudar o mundo!

Cuidado!
Eles estão por toda a parte,
São bruxos e bruxas!
Seu ritual mais sagrado é o sarau,

Nunca fique tranquilo!
Pois quando estiver sossegado tomando sua cerveja gelada no bar...
Chegam eles, de mansinho e atacam em grupo!

Uma superdosagem de palavras ritmadas atingirão seu espírito...
Modificando-o pra sempre!

Qualquer pedaço de papel é uma arma nas mãos de um poeta!

Se um deles escrever algo num guardanapo do boteco,
Pelo amor de Deus, eu insisto, não leia!!!
Se ele insistir em declamar, abafe os ouvidos,
As consequências podem ser cruéis...
Já vi desde paixões repentinas até uma louca vontade de fazer revolução!

Rodrigo Moreira Campos
Homenagem ao Sarau do Binho

sexta-feira, 30 de agosto de 2013

O tempo que o tempo não tem

Desejo um tempo que não viverei mais
um tempo de menos saudade
onde poderia fazer melhor ou pior, não importa
mas seria um tempo de novo presente
Um tempo onde as coisas de real valor
seriam vividas novamente
Desejo aquele tempo que hoje
só existe no campo das lembranças
Um tempo onde o amor era apenas infinito
e jamais confundido com saudade
E por desejar esse tempo aprendi que o tempo
é o bem mais precioso
não existe ouro que reviva um tempo
e tudo que pode ser orçado não possui de fato valor
É pena entendermos o real valor que o tempo tem
quando não há mais tempo para vivê-lo
Desejo um tempo de brincadeiras, cheiros e toques
onde as coisas eram simples e não haviam preocupações
onde a vida se resumia a esperar alguém chegar
sabendo que mais tarde passo a passo a mão
se encontraria perdida dentro da mão do outro
e nado no mundo teria maior importância
Um tempo onde estão todas as coisas
que hoje causam saudade
as coisa mais simples que antes
não pareciam ter tamanho valor
Onde havia herói e não era preciso salvar
pois ser salvo era o bastante
Desejo o mais breve momento desse tempo
mesmo que fosse curto como o piscar dos olhos
e o pior segundo desse tempo passado
passa a ser é o segundo mais querido.

Raio-X do Brasil

O Brasil a primeira vista pode parecer um país incoerente, sem nexo, sem sentido, sem lógica, porém não é o caso. Ao final direi o que de fato é o Brasil.

Como pode uma pessoa que foi julgada e condenada por peculato e formação de quadrilha ser mantida em um cargo público? Para simplificar a situação, foi provado que Donadon é ladrão, por isso esta condenado e vive na cadeia, mesmo assim ele é mantido em seu cargo, como esta preso entra em seu lugar um suplente, pois estando preso não há como o bandido honrar suas tarefas como deputado. Confuso...

Na contramão disso temos o caso do juiz Fernando Cordioli Garcia que a Corregedoria do TJ afastou da comarca de Otacílio Costa - SC sob acusação de participação político-partidária e instabilidade.

O Juiz Cordioli enfrenta um processo disciplinar no TJ que pode resultar em sua aposentadoria compulsória. Cordioli foi afastado provisoriamente do cargo em dezembro, pelo voto de 49 dos 62 desembargadores.

Entre os queixosos aparece nos autos o ex-prefeito de Otacílio Costa Denilson Padilha (PMDB). Ele acusou o juiz de ajudar a oposição nas eleições de outubro. Padilha perdeu a reeleição.

O juiz Cordioli disse uma vez que um promotor engavetava acusações contra a elite e os coronéis da política da cidade e só processava pretos, pobres e prostitutas.

É conhecido pela imprensa regional como "o juiz coragem" porque nos autos dos processos registrava os desvios éticos e profissionais de colegas juízes, promotores, servidores e advogados.

Estava prestes a ser promovido, quando foi afastado do cargo.

Cordioli denunciou que nos processos em que atuava os ricos e poderosos raramente eram incomodados, quase sempre ficavam engavetados na Promotoria.

Em 2012, Cordioli leiloou dois carros do prefeito de Palmeira em praça pública. O dinheiro era para pagar condenação por desvio de dinheiro público. Um terceiro carro, no qual o prefeito tentava viajar para Florianópolis, foi apreendido pela Polícia Rodoviária Federal depois que o juiz mandou uma ordem por fax para o posto de patrulha. O prefeito ficou a pé no acostamento.

Em outro caso Cordioli depois que o MP se recusou a pagar peritos num processo contra outro ex-prefeito, o juiz pediu auxílio do 10º Batalhão de Engenharia do Exército para avaliar a casa do réu. Um destacamento cercou a casa, fotografou tudo e a avaliou em R$ 500 mil. Em seguida, quando estava prestes a transformar a residência num abrigo municipal para órfãos, Cordioli foi afastado.

Em um processo ambiental, ordenou à Fundação de Amparo ao Meio Ambiente derrubar a casa de um vereador erguida em área de preservação. Como a ordem judicial não foi cumprida, Cordioli fez o serviço ele mesmo, com a ajuda de um operário.

Descontente em ver condenados a penas alternativas não cumprirem suas sentenças, o juiz exigiu que todos fossem ao quartel da PM às 9h dos sábados. Recebia o pessoal de pá na mão e comandava operações tapa-buracos nas ruas de Otacílio Costa.

Cordioli é chamado de louco.

Vivemos em um país onde a loucura parece ser a coisa mais correta.

Resumindo... O Brasil não é um país incoerente, sem nexo, sem sentido, sem lógica, o Brasil é um país corrupto, a corrupção não esta apenas no senado, nas prefeituras, nas câmaras, na justiça, no ministério público, a corrupção esta no DNA do seu povo. Precisamos com urgência alterar nossa cultura, caso contrário o absurdo vai sempre parecer normal.

quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Henry Miller

Desejo um mundo de homens e mulheres, de árvores que não falem (porque já existe conversa demais no mundo!) de rios que levem a gente a lugares, não rios que sejam lendas, mas rios que ponham a gente em contato com outros homens e mulheres, com arquitetura, religião, plantas, animais - rios que tenham barcos e nos quais os homens se afoguem, mas não se afoguem no mito e lenda e nos livros e poeira do passado, mas no tempo e no espaço e na história. Desejo rios que façam oceanos como Shakespeare e Dante, rios que não se sequem no vazio do passado. Oceanos sim! Tenhamos novos oceanos que apaguem o passado, oceanos que criem novas formações geológicas, novas vistas topográficas e continentes estranhos, aterrizadores, oceanos que destruam e preservem ao mesmo tempo, oceanos nos quais possamos navegar, partir para novas descobertas, novos horizontes. Tenhamos mais oceanos, mais convulsões, mais guerras, mais holocaustos. Tenhamos um mundo de homens e mulheres com dínamos entre as pernas, um mundo de fúria natural, de paixão, ação, drama, sonhos, loucura, um mundo que produza êxtase e não peidos secos. Creio hoje mais do que nunca é preciso procurar um livro ainda que de uma só grande página: precisamos procurar fragmentos, lascas, unhas dos dedos dos pés, tudo quanto contenha minério, tudo quanto seja capaz de ressuscitar o corpo e a alma.


 

quinta-feira, 15 de agosto de 2013

Pedras não Falam Mas Quebram Vidraças

Os miseráveis

Vitor nasceu no jardim das margaridas
Erva-daninha nunca teve primavera
Cresceu sem pai sem mãe sem norte sem seta
Pés no chão, nunca teve bicicleta

Já Hugo não nasceu, estreou
Pele branquinha, nunca teve inverno
tinha pai, mãe, caderno e fada-madrinha

Vitor virou ladrão
Hugo salafrário
Um roubava por pão
O outro para reforçar o salário
Um usava capuz
O outro gravata
Um roubava na luz
O outro em noite de serenata
Um vivia de cativeiro
O outro de negócio
Um não tinha amigo, parceiro
O outro sócio

Retrato falado Vitor tinha cara na notícia
Enquanto Hugo fazia pose pra revista
O da pólvora apodrece impenitente
O da caneta enriquece impunemente
A um só resta virar crente
O outro é candidato a presidente

Sérgio Vaz

quarta-feira, 31 de julho de 2013

Frei Beto

"Quando eu era criança o que valorizava o tênis que eu usava
era eu usar o tênis, eu dava valor ao calçado,
se eu o usasse ele ficava importante, hoje é o contrário"

quarta-feira, 24 de julho de 2013

Governos brasileiros



Vou ilustrar o que são os governos brasileiros...

Eles se assemelham a aquele pai de família pobre, que recebe no domingo a visita de uma pessoa que ele não gosta, porém por existir interesses futuros nessa relação, ele faz de tudo para agradar, uma puxação de saco sem fim, tudo falsidade.

Ele pede licença a visita, e por não ter um real no bolso, vai até seu quarto abre a gaveta de cuecas e apanha lá no fundo da mesma, uma caixa, dentro dela consta um cartão de crédito com limite de duzentos reais que seria usado apenas em emergências. Volta a sala, disfarçadamente chama o filho mais velho de canto e diz:

- Filho, vá até a padaria e compre, presunto, queijo, salame, o salame você manda fatiar, compre pão, língua de sogra, pão de queijo e trás refrigerante.

O garoto animado com a situação atípica, questiona o pai:

- Pai, hoje vamos tomar refrigerante? Compro Dolly?

O pai responde:

- Não! Compra Coca-cola!

Ao retornar o filho mais velho a mesa é posta, a visita se farta e vai embora reclamando pelas costas do anfitrião, ela não voltará por anos e não se lembrará desse dia.

No dia seguinte esta família almoçará arroz com farinha, devido a não existir dinheiro para comprar feijão e meio quilo de pé de franco, que seja, pois pescoço é mais caro.

quarta-feira, 3 de julho de 2013

Curtindo a vida adoidado...


"O presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), usou um avião da Força Aérea Brasileira para levar a noiva, parentes dela, enteados e um filho ao jogo da seleção no Maracanã no domingo. (...)

O deputado e seus convidados usaram cadeiras destinadas a torcedores, e não às autoridades. (...)

Se tivessem que pagar pela viagem de Natal ao Rio, ida e volta, cada passageiro gastaria pelo menos R$ 1,5 mil. (...)"

http://www.senado.gov.br/noticias/senadonamidia/noticia.asp?n=852035&t=1


  A impressão que tenho é que a farra é tanta que essas pessoas fazem isso sem pensar, sem saber que haverá algum problema, como se fosse a coisa mais natural do mundo, e vai saber se não para eles não é. Claro que ele não é o primeiro a fazer isso e também não será o ultimo. Cabe ao povo, assistir menos futebol e novela e acompanhar os passos dessas pessoas.

  Essa é a rotina deles, trabalhamos muito pra financiar o conforto dessas pessoas, e a culpa disso não é apenas dele, podemos dividi-la meio a meio, 50 % dessa culpa é nossa que todos esses anos ignoramos as notícias politicas, fugimos de entender e de procurar fiscalizar o dia a dia dessas pessoas, se é tão fácil utilizar de tanto conforto é por que sempre nos comportamos como cegos.

Política é chato apenas para quem tem preguiça de entende-lá.

quinta-feira, 20 de junho de 2013

Mudança de hábito



O que está acontecendo nas ruas do nosso país nos últimos dias não é uma fase, um momento, como fosse uma moda. Isso não deve acabar, estamos mudando de postura, de atitude, esse sentimento de capacidade, deve seguir conosco, vamos deixar a postura covarde e passiva que tivemos todos esses anos e vamos adotar de vez a contestação, engessar na nossa cultura essa postura.

Sentem com suas crianças e expliquem o que esta acontecendo, elas são o futuro desse país. Com certeza estão vendo de alguma forma, os acontecimentos pela televisão e é de extrema importância que elas entendam isso como algo correto, a postura exata que um cidadão deve ter, se deixarmos por conta de seu entendimento, essas crianças podem entender qualquer coisa. Hoje lutamos por eles, amanhã é necessário que eles saibam da capacidade que possuem como povo, para lutar pelos próximos.

Mudar o país é algo ambicioso, vamos a principio mudar nós mesmos, sair de vez dessa postura apática e sermos de fato contestadores, tomar gosto pelas questões, pela luta, e dessa forma a mudança do país acontecerá naturalmente.

Pra você que me chama de maluco, Che Guevara, você que tira sarro, saiba que enquanto você ri de mim, tem outros tantos rindo de nós dois a custa do meu e do seu dinheiro. Dinheiro que você conquistou com SEU trabalho, ficando ausente dos seus filhos, da sua esposa, as vezes perdendo eventos familiares, horas de descanso, perdendo horas indo e vindo do trabalho, perdendo saúde, energia, felicidade.

Não sei se é covardia, timidez ou apenas um choque natural de quem ainda esta se adaptando a uma mudança de postura, mas deixe de lado esses poréns e venha lutar comigo, afinal de contas juntos o POVO É GRANDE PRA CARALHO!!!

E para aqueles que me chamavam de louco quando eu dizia que uma hora isso iria acontecer, venho informar que sou louco sim e esse povo esta enlouquecendo comigo...

Sem mais!

terça-feira, 18 de junho de 2013

Aos que ainda dormem...


Você que em tom de brincadeira questiona quem se coloca a disposição das manifestações, saiba que vivemos nessa sociedade, você e eu, não importa o que você faça, não conseguirá se isentar dos acontecimentos, havendo melhora ou não você, assim como eu, vai sofrer as consequências.

Hoje deixei de estar com meu filho de 22 dias para manifestar minha insatisfação, justamente por ama-lo fui para rua, para que um dia ele viva em um país mais justo, onde as decisões sejam tomadas de baixo pra cima. Não quero mais pagar duas vezes e caro por saúde, educação, transporte, segurança e etc. Quero que as coisas sejam justa. Levamos o país em frente, porem não nos dão de fato o direito de escolher o que é melhor para nós mesmo, se não nos dão esse direito, estamos dispostos a toma-lo.

Acorde! Até quando pretende viver dessa forma? Monitorando sites pra saber que horas sair do trabalho pra ir pra casa, tentando fugir do trânsito, uma quantidade enorme gastando mais que o necessário, queimando gasolina para não depende do transporte público.

A hora é agora, esta acontecendo, como já disse, você não será capaz de se isentar do por vir, cabe a cada um saber se terá o orgulho de ter vivido ou não. Afinal de contas, muitos nascem mas poucos vivem...


terça-feira, 28 de maio de 2013

Pleno



Respeito aqueles que escolhem por não ter filhos, mas dentro das coisas que sinto, e hoje mais do que nunca, afirmo que ninguém atinge a plenitude sem gerar a vida, não basta plantar uma árvore, menos ainda escrever um livro. Só termina completo aquele que gerou.

Muitas vezes me falaram que os sentimentos vividos pelo nascimento de um filho são inexplicáveis e incomparáveis, hoje eu entendo e concordo, porem também não saberia explicar.

Hoje sei de fato o que é amor, dor, saudade, medo, ansiedade, insegurança, alegria, desespero, medo, e todos os outros sentimentos que agora não me lembro. Em apenas 2 dias senti todos esses no seu mais alto grau. Sinto que ter um filho é se dar, é uma parte de você que esta naquela outra pessoa e lá ficará, quando se faz ausente, distante, não há como se acalmar, você se sente incompleto, é como de um momento para o outro faltar um pedaço e tenham certeza jamais existirá pedaço de maior valor que o pedaço de nós mesmo que é um filho.

Quando me perguntarem como me sinto, direi apelas que me sinto pleno.

sexta-feira, 10 de maio de 2013

Enfim

Até que enfim meu amor chegou
Meus dias solitários acabaram
E a vida é como uma canção

Enfim
O céu está azul
Meu coração está coberto de tranquilidade
Na noite em que eu olhei pra você

Eu encontrei um sonho, que eu posso conversar
Um sonho que posso chamar de meu
Eu achei um prazer apertar minha bochecha
Um prazer que eu nunca havia conhecido

Você sorriu,Você sorriu
E assim o encanto foi lançado
E aqui estamos no céu
Porque você é meu enfim

Etta James

terça-feira, 7 de maio de 2013

Exato Momento

O amor precisa da sorte
De um trato certo com o tempo
Pra que o momento do encontro seja pra dois o exato momento
O amor precisa de sol
E do barulho da chuva
De beijos desesperados
De sonhos trocados da ausência de culpa
Talvez o amor só seja assim pra mim
E pra você não seja nada disso
Mas eu prometo tentar aprender a te amar do jeito que for preciso
Mas se o amor quiser mudar as leis do que é certo
Ele faz que o improvável aconteça
Quando o amor vier não tema, tenha fé
Ele encherá seu olhar de esplendor e beleza

Zé Ricardo

terça-feira, 23 de abril de 2013

O que a vida espera de você

Antes de afirmar que não espera mais nada da vida, lembre-se do seu tamanho perante a vida e se pergunte se ela espera algo de você. Todos possuem seu tamanho e sua importância, porem diante de algo infinito como a vida nos tornamos insignificantes, sendo assim quando falamos que não esperamos mais nada da vida, podemos estar nos dando uma importância que não existe, pode ter certeza que ela não esta preocupada com o fato de você esperar ou não esperando algo dela, a vida não possui tempo para se importar com quem se entrega, ela se ocupa daqueles que ainda lutam.

Não desista antes do fim do jogo, a vitória pode estar contida no lance final, e sobre a vida, se preocupe apenas em saber se ela esperá algo de você, pois se até a vida já desistiu de você pode ter certeza que nada mais em você irá acreditar.

segunda-feira, 1 de abril de 2013

Sumi

Sumi porque só faço besteira em sua presença, fico mudo quando deveria verbalizar, digo um absurdo atrás do outro quando melhor seria silenciar, faço brincadeiras de mau gosto e sofro antes, durante e depois de te encontrar. Sumi porque não há futuro e isso não é o mais difícil de lidar, pior é não ter presente e o passado ser mais fluido que o ar. Sumi porque não há o que se possa resgatar, meu sumiço é covarde mas atento, meio fajuto meio autêntico, sumi porque sumir é um jogo de paciência, ausentar-se é risco e sapiência, pareço desinteressado, mas sumi para estar para sempre do seu lado, a saudade fará mais por nós dois que nosso amor e sua desajeitada e irrefletida permanência.

Martha Medeiros

sábado, 2 de fevereiro de 2013

Suspensão

Fora de mim, fora de nós, no espaço, no vago
A música dolente de uma valsa
Em mim, profundamente em mim
A música dolente do teu corpo
E em tudo, vivendo o momento de todas as coisas
A música da noite iluminada.
O ritmo do teu corpo no meu corpo...
O giro suave da valsa longínqua, da valsa suspensa...
Meu peito vivendo teu peito
Meus olhos bebendo teus olhos, bebendo teu rosto
E a vontade de chorar que vinha de todas as coisas.

Vinicius de Moraes

domingo, 6 de janeiro de 2013

Todo o resto

Certo e errado são convenções que se confirmam com meia dúzia de atitudes. Certo é ser gentil, respeitar os mais velhos, seguir uma dieta balanceada, dormir oito horas por dia, lembrar-se dos aniversários, trabalhar, estudar, casar-se e ter filhos, certo é morrer bem velho e com o dever cumprido. Errado é dar calote, rodar de ano, beber demais, fumar, se drogar, não programar um futuro decente, dar saltos sem rede. Todo mundo de acordo?

Todo mundo teoricamente de acordo, porém a vida não é feita de teorias. E o resto? E tudo aquilo que a gente mal consegue verbalizar, de tão intenso? Desejos, impulsos, fantasias, emoções. Ora, meia dúzia de normas preestabelecidas não dão conta do recado. Impossível enquadrar o que lateja, o que arde, o que grita dentro de nós.

Somos maduros e ao mesmo tempo infantis, por trás do nosso autocontrole há um desespero infernal. Possuímos uma criatividade insuspeita: inventamos músicas, amores e problemas, e somos curiosos, queremos espiar pelo buraco da fechadura do mundo para descobrir o que não nos contaram. Todo o resto.

O amor é certo, o ódio é errado e o resto é uma montanha de outros sentimentos, uma solidão gigantesca, muita confusão, desassossego, saudades cortantes, necessidade de afeto e urgências sexuais que não se adaptam às regras do bom comportamento. Há bilhetes guardados no fundo das gavetas que contariam outra versão da nossa história, caso viessem a público.

Todo o resto é o que nos assombra: as escolhas não feitas, os beijos não dados, as decisões não tomadas, os mandamentos a que não obedecemos, ou a que obedecemos bem demais - a troco de que fomos tão bonzinhos?

Há o certo, o errado e aquilo que nos dá medo, que nos atrai, que nos sufoca, que nos entorpece. O certo é ser magro, bonito, rico e educado, o errado é ser gordo, feio, pobre e analfabeto, e o resto nada tem a ver com estes reducionismos: é nossa fome por idéias novas, é nosso rosto que se transforma com o tempo, são nossas cicatrizes de estimação, nossos erros e desilusões.

Todo o resto é muito mais vasto. É nossa porra-louquice, nossa ausência de certezas, nossos silêncios inquisidores, a pureza e a inocência que se mantêm vivas dentro de nós mas que ninguém percebe, só porque crescemos. A maturidade é um álibi frágil. Seguimos com uma alma de criança que finge saber direitinho tudo o que deve ser feito, mas que no fundo entende muito pouco sobre as engrenagens do mundo. Todo o resto é tudo que ninguém aplaude e ninguém vaia, porque ninguém vê.

Martha Medeiros

sábado, 5 de janeiro de 2013

Sorte ou azar

Tudo é questão de obedecer ao instinto.
Que o coração ensina a ter, ensina a ter.
Correr o risco, apostar num sonho de amor.

O resto é sorte e azar.

Tudo é questão de não se negar nada.
A nenhuma força que dê luz, que dê luz.
Seja de Deus ou do Diabo se for claro.
É só pagar pra ver, é só pagar pra ver.

E se por acaso, doer demais.
É porque valeu.

E se por acaso, for bom demais.
É porque valeu.

Cazuza

quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

EstouDentro!



O EstouDentro! é uma Rede Social, que possui diversas ferramentas para você se comunicar e interagir com seus amigos: Chat, Mural, Álbum de Fotos, Compartilhamento de imagens, videos e músicas... mais até aqui não tem novidade, certo?

O principal diferencial do EstouDentro é que você ganha créditos para comprar produtos na rede!

Ao se cadastrar, automaticamente você ganhará 20 convites. Envie estes convites para seus amigos mais próximos e pronto!

A rede possui diversas lojas virtuais com produtos variados. A cada compra que seus convidados efetuarem no EstouDentro você ganha 2% do valor da compra. Quando seus amigos convidarem outras pessoas, você ganha 1% também dos convidados deles... e do mesmo modo 0,5% dos convidados dos amigos de seus amigos, formando assim o terceiro e último nível de ganhhos.

Agora faça as contas... 1 pessoa convida 20 pessoas, que convida + 20 pessoas cada uma, que depois convida + 20 cada uma: 8.440 pessoas em sua rede! Se a média de compras da sua rede for R$ 100,00 por exemplo, você ganhou pelo menos R$ 4.200,00!

Não fique fora desta!

Acesse!

Zumbi

Angola Congo Benguela
Monjolo Cabinda Mina
Quiloa Rebolo
Aqui onde estão os homens
Há um grande leilão
Dizem que nele há
Um princesa à venda
Que veio junto com seus súditos
Acorrentados num carro de boi
Eu quero ver
Eu quero ver
Eu quero ver
Angola Congo Benguela
Monjolo Cabinda Mina
Quiloa Rebolo
Aqui onde estão os homens
Dum lado cana de açúcar
Do outro lado o cafezal
Ao centro senhores sentados
Vendo a colheita do algodão tão branco
Sendo colhidos por mãos negras
Eu quero ver
Eu quero ver
Eu quero ver
Quando Zumbi chegar
O que vai acontecer
Zumbi é senhor das guerras
È senhor das demandas
Quando Zumbi chega e Zumbi
É quem manda
Eu quero ver
Eu quero ver
Eu quero ver

Jorge Ben Jor